Antes que eu me esqueça - "Vidário" Prévio - Versão I


1.       Ricardo de Faria Barros, Ricardim, 49 anos, falecido em XXXX (local) no dia XX/XX/XXXX, vítima de xxxxx.  Ricardim nasceu em Campina Grande-PB, no bairro da Prata, tendo como pais Evandy e Denise, funcionários aposentados do SENAI.  Teve dois irmãos: Gustavo e Andreia e 15 tios.   

2.       Durante sua juventude estudou no Colégio Diocesano Pio XI, e militou nas pastorais sociais da Igreja do Rosário, praticando diariamente natação no SESI.  Em 1986, ingressou no Banco do Brasil. Desde 1997, morava em Brasília, onde atualmente desempenhava as funções de Gerente de Capital Humano, na Diretoria de Tecnologia do Banco do Brasil. Em Brasília, residia no Jardim Botânico, Cond. Amobb.

3.       Casado com Maria Cristina, com quem teve seu 4. Filho, o João Gabriel (4).  Do primeiro casamento, teve três filhos: Tiago (29), Priscila (27) e Rodrigo (25).  Criava o labrador Balu, com o qual era muito apegado.  Tinha três sobrinhos: Artur, Bianca e Gabi.  E “noras e genro”: Carol, Andreza e Hugo, o Bodão como ele carinhosamente o chamava.

4.       Em 1994 fundou uma ONG, sendo seu Presidente até 1998. A ONG chama-se Grupo de Apoio à Vida - GAV, e ainda presta apoio a pessoas e famílias com AIDS.  Formou-se em Psicologia pela UEPB, em 1996, na abordagem da Logoterapia. Em 2005, especializou-se em gestão de pessoas (USP). E, em 2007, foi reconhecido pela UNB como Mestre em Gestão Social e Trabalho.

5.        Ricardim era a ternura em pessoa. Gostava das coisas simples, da mesa farta de afeto e esperanças.  Gostava de cozinhar, de fotografar, de escrever e de ser educador. Cada pessoa, para ele, era fonte inesgotável de sabedoria.  Publicou dois livros: Sobre a Vida e o Viver, e, Apanhadores de Possibilidades nos Campos do Infinito.  Tinha um blog: Bode com Farinha, no qual publicava suas inquietações e reflexões sobre a vida.  Considerando-se quase um pregador virtual.

6.       Ricardim era do tipo que tinha um milhão de amigos.  Seja em comunidades virtuais (Progrid, Otimistas BB) seja seus alunos dos cursos de pós-graduação na Católica, Ibmec, e UNIP.  Era educador de vários cursos do BB e orgulhava-se de fazer parte do grupo de educadores, formadores de outros educadores.  Considerava-se bom de praça e procurava não alimentar mágoas e rancores por muito tempo. Era hábil na capacidade de harmonizar ambientes e interagir com todas as tribos culturais. Não gostava de confusão e de ambientes de desconfiança.

7.       Integrou importantes equipes de projetos no BB, com realizações como: os Fóruns de Pessoas, Desenvolvimento Sustentável, Governança de TI  e o programa de trainees da Tecnologia do BB, chamado de Progrid. Não tinha medo da morte. Dizia-se de malas prontas para ela. Ressaltava sempre que atingira o maior grau de satisfação na carreira fazendo o que fazia na Tecnologia, e que ela o resgatara profissionalmente.  
8.       Ele era eclético, do tipo que sendo católico, ia à missa no domingo bem cedo, e à noite ia ao culto da igreja Metodista do Jardim Botânico, acompanhando sua esposa. Dizia que não tinha problemas em conviver com diferenças, desde que elas lhes ensinassem algo. Um de seus maiores prazeres era frequentar a feira livre de São Sebastião-DF, cidade do entorno de Brasília, e contemplar o movimento de feira e a vida simples das pessoas, comendo pastel com caldo de cana na barraca La Deyse.  Ninguém cruzava no seu caminho e saia sem um olhar afetuoso e otimista.
9.       Ele brincava que queria morrer de forma elegante, nunca atropelado. A morte fez-lhe a brincadeira final.  Bem ao seu estilo, que adorava pegar trotes nos colegas de trabalho.  Algumas coisas não realizou, com as quais sonhava: conhecer melhor a América Latina, Portugal, o Jalapão e o Monte Roraima.  Também sonhava com um tempo no qual as pessoas fossem mais acessíveis, amistosas, solidárias e fraternas, isso também ficará para depois. Os tempos estão difíceis nestes quesitos.  Ele doou todos os órgãos. Ricardim militou, por muitos anos, na Teologia da Libertação, e era simpatizante do PT, embora não o poupasse de críticas ferozes. Sonhava com um Brasil melhor e mais justo.
10.    Uma palavra deixa aos filhos: Saudades.  Uma missão deixa aos amigos: Subvertam a realidade e transformem o mundo em algo melhor do que acharam. Uma canção deixa para Cristina: Contigo Aprendi. Um pedido deixa aos desafetos: Perdão.  Se ele pudesse voltar à vida, curtiria mais a família e menos o Facebook.   Deixou seus bens para seus filhos e esposa.  Doou para sua ex-mulher, após inventário, um salário de referência do BB.    
11.     A cerimônia de despedida será regada à caipirinha e licores, com fundo musical de clássicos do cinema e da MPB.  Para carregá-lo até o colchão de grama enumerou os filhos: Tiago e Rodrigo. Seu pai Evandy e seu irmão Gustavo. Seus amigos: Maurício Lyra e Marcus Fahl.  Como carregadores virtuais gostaria de ter os amigos que aparecem na sua página principal do FB, na data de sua morte. 
12.    O evento começara às 11hrs com previsão de enceramento para às 13hrs. Serão servidos salgados, café e caldo de cana, especialmente preparados pela lanchonete La Dayse.  Na descida final, quer ouvir Porque Ele Vive.
13.    Ele estará vestido com a camisa do Progrid e calça jeans. Não vai usar chumaços no nariz, acha cafona. Pede muitas flores, e menos cravos. Durante o evento, poderão dirigir a palavra seus amigos do BB, o Pastor André e seus familiares. Sempre com mensagens de fé, poesia e otimismo. O evento ocorrerá no Campo da Esperança, no dia X, às 11hrs.  
14.    Na sua lápide, Ricardim quis que fosse gravada a seguinte expressão:


 Se for para chorar que seja por uma noite e um dia.  Vou ali e encontro-lhe mais tarde. Afinal, na casa do Pai há muitas moradas.

3 comentários:

  1. Se ele vive eu posso crer no amanhã.... Se vc for antes de mim, rezarei o Terço da Misericórdia Divina, mesmo distante. Ricardim é o ser que resplandece pela Luz Divina.

    ResponderExcluir
  2. cheguei a chorar. Ah, meu amigo, sua missão é grande. E embora voce ja tenha feito bem a tantas pessoas (me incluo aí), ainda tem muita gente precisando aprender com voce (me incluo aí tambem). Amo-te. Nem venha com mais um texto desta natureza, que meu coração vem apresentando abalos sísmicos. E tenho dito!

    ResponderExcluir
  3. Em resumo:

    SAIU DE CENA UM CARA FELIZ.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir

Seu comentário é uma honra.

Crônicas Anteriores