Doze Peixes e Um Gesto de Amor (Autor Ricardo de Faria Barros)

Chegamos à praia da Barra do Jucu, 40 KM de Vitória-ES, um tanto frustrados com a estada na praia anterior, na badalada Guarapari, chama de Praia do Morro.
 Naquela praia apinhavam-se umas mil pessoas que disputavam com os guardadores de guarda-sol, cada pedacinho de areia para se alojarem.
Não gostamos daquilo, daquele monte de gente dentro de uma lata de sardinha de faixa de areia de praia, e logo decidimos explorar alguma outra praia na volta.
Lembrei-me que tinha passado por uma placa que indicava a praia da Barra do Jucu. Gosto de praias de barras, geralmente formadas do encontro de um rio com o mar, produzindo um cenário muito bonito.
Pedi ao navegador, DJ e fotógrafo, o JG, que aprumasse o Waze em direção da praia, já que ficava na estrada de volta para Vitória mesmo.
Chegamos na praia e foi amor à primeira vista.  Aquela montanha rochosa que se projetava mar adentro, tornava aquele pedaço de praia quase uma rua sem saída.
Na praia, havia um monte de barquinhos de pesca, redes penduradas, crianças correndo livres, nenhum vendedor “de sombra” (ufa), e ainda ocorria um surreal leilão de peixes, à céu aberto. Fruto de uma puxada de rede, que recém houvera ocorrido.
No acesso às duas únicas barraquinhas, uma placa com um monte de latas penduradas nelas, saudava os visitantes com a expressão:  “Lixeirinhas compartilhadas. Chegou? Pegue! Já vai? Devolva!”
A ideia é que os próprios frequentadores coloquem seus lixos de praia nestas latinhas, devolvendo-as para coleta posterior. Genial!
Troquei umas ideias com os garçons que alternadamente nos atendiam, numa colaboração entre eles não tradicional, já que não dividiram a praia em setores. Quem estava disponível, e via o cliente erguendo as mãos, corria pra atender. Então fiquei sendo atendido pela Jamile, Weslei e o Baiano. Descobri com eles que se subíssemos pela encosta do morro chegaríamos uma praia só acessível de barco, e muito bonita, e que do alto do morro eu faria boas fotos. Descobri também que ainda haveria uma puxada de rede. Que consiste num barquinho que vai bem fundo, levando uma enorme rede, em cujas extremidades ficam longas cordas. O barquinho faz uma espécie de U, invertido, derrubando a rede no mar. Depois, da costa, dezenas de voluntários puxam a rede. Todos que ajudam ganham peixe e é uma festa só.
E fui ficando por ali, com olhos encantados e assombrados para a simplicidade e poesia do lugar, tão diferente da badalada praia anterior, que virou uma espécie de passarela e point comercial de beira mar.  
Tomamos nossa água de coco e fomos subir o Morro da Concha, como é chamado. De seu alto, avistamos a praia privativa, não de quem tem dinheiro, mas de quem escala o Concha, que mais parecia uma cena daquele filme a Lagoa Azul, e soltamos um Uauuu!!
Na subida, vimos o barquinho soltando a enorme rede no mar, e ficamos confiantes de que em breve veríamos a puxada da rede.
Voltamos para a barraca e pedi um peixe frito ao Baiano,  e um filé com fritas para o JG.
Quando Baiano já corria pra barraca, gritei pra ele voltar. Disse-lhe que não tinha visto arroz em nenhum prato do cardápio, mas se tivesse alguma pequena porção, que eles mesmos tinham trazido de casa, eu aceitaria um pouco dela para incrementar o almoço do JG.
 “Deixe comigo, em tentarei. E vou trazer também uma salada junto”.
Uns 30 minutos depois chega o Wesley com o peixe, e a Jamile com o filé com fritas e um arroz que de tão novinho ainda cheirava ao alho torrado junto .
Ela me diz que fez o arroz pra o JG. E meus olhos marejaram.
Com pouco chega o Baiano, com uma pequena caçarola, cheia de tomates cortadas rusticamente.
Era a salada que ele prometera. JG ama tomate, e eu também. E, aquela foi a melhor salada que comemos, embora só tivesse tomate, e o recipiente na qual foi servida, não se parecia muito com uma bandeja.
Não importa, ela tinha um sabor especial.  Entendedores entenderão.
Paguei um picolé pro JG, e pedi mais 3 picolés que levei para os simpáticos garçons. Era o mínimo que eu podia fazer, em retribuição.
Aí o espetáculo da puxada de rede começou. Um verdadeiro trabalho em equipe, com dois grupos de puxadores, cada um com umas 12 pessoas, que trabalhavam de forma sintonizada, fechando a rede e a puxando com força do mar.
Percebi que ficavam algumas pessoas em pé, próximo ao mar, e que elas iam reversando os que estavam localizados na ponta da corda, a que se conecta com a rede, dado que ali o esforço é muito grande pra um homem só aguentar por muito tempo.
A chegada da rede é uma cena indescritível de bela. E, ali mesmo, o pescado vai sendo dividido entre os trabalhadores da puxada, umas 24 pessoas, e com o dono da rede e barco, o pescador-capitalista.  Mas, todo mundo ganha seu peixe, quem puxa a corda, desde o início, leva peixe bom pra casa, e uns 5 quilos.
Mas, até pra quem só aparece na hora que o serviço fica mais fácil também ganha seu peixe. E até crianças e pessoas idosas catam os peixes de menor valor, tipo mini-sardinhas, que vão ficando espalhadas pela praia. Na puxada da rede todos são incluídos.  
O pescador Tiago, um dos líderes das equipes, aproximou-se de mim e explicou que aquela era a última do dia.  E que eles dão até 3 lances por dias, dependendo do vento e das marés.  Ele percebeu que éramos turista, talvez pelas fotos rsrs, e nos deu mais dicas do lugar. Nos convidando pra Descida do Mastro, festa de Samba de Congo, em louvor a São Benedito, que ocorrerá no domingo. Na despedida, ofereceu a hospitalidade da casa dele, para o caso de queremos pernoitar no domingo, após a festa.
Volto pra barraca, e JG para o mar. A esta altura ele já tinha se enturmado com um monte de filhos de pescadores, que juntos pegavam jacaré. A tarde vem caindo, tomamos uma gostosa ducha, daqueles chuveirões gratuitos de beira mar civilizada, e pedimos a conta.
Pedi que Wesley bote numa quentinha o resto do filé com fritas. Dará uma boa janta.
Logo depois, ele chega com as iguarias acondicionadas num saco plástico. E diz, na maior simplicidade e serenidade, que eles não têm quentinhas de isopor, mas que improvisou naquele saquinho.
Pensei comigo, e qual o problema? Tiras de filé fritas e batatas não vão estragar em mais 60 minutos de direção.  E valeu demais o gesto dele, solucionando meu problema.
Aí chega o Baiano com uma sacola plástica e diz assim: “É para o senhor levar, são doze peixes, do tipo pescadinha”.
Marejei novamente as pupilas da alma. Agradeci o gesto, pedi uma foto pra documentar a cena, disse-lhe que estava em hotel e não havia como levá-las para Brasília.  
E dirigi 60 minutos com o sabor daquele gesto que emoldurava meu ser de tanto amor que recebi, daqueles simples garçons, que sabem fazer a diferença, sendo o melhor para o mundo que possam ser, e não querendo ser os melhores do mundo.
Eles foram gratos com o que tinham. Ganharam picolés, devolveram com peixes.
Peixinho fresco, pescado na frente do estabelecimento deles.  Coisa boa.  
Mas, eles me deram mais que peixes. Eles deram uma aula de gratidão.  Uma aula de humanidade.
E de cuidado com o próximo e empatia com um pai querendo dá almoço pra um filho.
Quais doze peixes ofereceremos ao nosso próximo?
Como senti e expressar de forma mais concreta a gratidão? 
O que faremos para surpreender pessoas, para ir além do combinado, do convencional, encantando-as?
Como demonstraremos melhor o nosso respeito amor para com o outro?
Wesley, Baiano e Jamile sabem estas respostas, e as fornecem com os frutos de seu próprio trabalho.

Ps. Eles não cobraram pelo arroz e salada de tomates. 

Olhai as Tartarugas (Autor Ricardo de Faria Barros)

Este texto não é sobre tartarugas.

É sobre um monte de coisas que existem no oceano de nosso viver, coisas do tipo bacanas, que não as vemos, por não saber que existem, ou por ter esquecido de olhá-lhas. Até que alguém nos desperta para isto, e voltamos a ver o que nem nós sabíamos que existia de tão bom em nossa vida.

Frequento uma praia em João Pessoa-PB, há pelo menos 50 anos.
Eu e ela crescemos juntos. Posso até dar nome aos coqueiros e a cada reentrância da praia que se amolda ao mar. Nós a chamamos da Praia do Iate, em referência a um Clube Náutico que por ali existe, embora seja a Praia do Bessa I.
Mas, algo só me ocorreu neste veraneio. Acontece que minha irmã veio nos visitar e disse que uma tartaruga estava nadando bem perto dos banhistas, inclusive passando próximo ao meu sobrinho e cunhado, na praia do Iate.
Sempre soube que elas usam este trecho de praia para desovar, mas nunca tinha me passado a ideia de que elas ficassem na área, dando uma nadada boa. Enquanto esperam a hora, nas luas cheias de janeiro, fevereiro e março.

Depois do almoço com a mana, fui até mar, com o firme propósito de nadar com elas. Mas, não as encontrei.
No outro dia, fui ver o sol nascer da praia, e eis que uma tartaruga emerge para respirar, bem na prumada do sol que eu via nascer.
A partir daí, transformei-me em observador de tartarugas. Sei até o melhor horário para vê-las, das 5h às 7h. Até criei minha própria técnica para ter sucesso na observação de tartaruga. Nada de ficar passeando a vista no imenso mar à minha frente. Isto só diminuirão as chances.

É preciso se concentrar num único ponto. E esperar, esperar e esperar. Como elas passam um bom tempo nas profundezas, flagrá-las emergindo, e acertar o local, torna-se quase uma loteria. Então, é preciso acreditar que naquela faixa do enquadramento do olhar, mais cedo ou mais tarde, ela aparecerá.

Confesso-lhes que estas férias têm tido este sabor especial.

Então, algo mudou em meu ser. E, foi uma mudança profunda, estrutural. Todos os dias, bem cedo, aprumo a vista para vê-las nadando. Não é coisa fácil, exige paciência, foco, disciplina e até sorte. Hoje um banhista, apanhador de nascer do sol, quis até me acompanhar, mas logo desistiu. Disse que elas não apareceriam. Eu lhe falei:

- Senhor, elas estão ali naquele mar, têm muitas tomando o café da manhã neste momento. E não é o fato de não as vermos que elas não estão lá.

Ele, deu de ombros, sem entender muita coisa, e continuou sua corrida matinal.
O que houve em mim, do ponto de vista cerebral, com a nova perspectiva das tartarugas?
Eu remodulei os pensamentos, emoções e comportamentos, em função delas.
E tornei-me mais presente, criando as condições para que minha percepção selecione qualquer mudança de tonalidade, ou agitação, na lâmina d’água que possa facilitar nosso encontro.
Engraçado que a competência de observar as tartarugas, a partir de um toque que minha irmã me deu, ocorre com um montão de coisas que estão passando no oceano em nosso viver.
Às vezes só precisa que alguém nos apoie na remodulação de nosso olhar, sobre o oceano de nosso viver.
É uma escolha. Quantas coisas bacanas estão ocorrendo lá no interior de nosso mar, e que não as reconhecemos?
Mas, esta escolha exige mudança de modelo mental. Exige uma mudança de perspectiva, de enquadre.
É preciso que tomemos consciência, fruto do autoconhecimento, e que passemos a nos tornar observadores de coisas boas.
Imagine que nossa vida seja como este trecho de mar da Praia do Iate. Imagine que avistar uma tartaruga nadando é uma coisa que causa bem-estar.
O desafio que se faz presente, nos tempos atuais, é encontrar nas profundezas de nosso oceano interior as tartarugas.
Isto exigirá paciência, foco, determinação e muita constância de propósitos, mas valerá a pena.
Há muitas pessoas na humanidade fazendo este caminho. Pessoas que se cansaram com o vazio existencial da coletividade, com uma sociedade escrava do consumo e da agitação.
Pessoas que aprenderam a observar tartarugas.

Ter pais vivos podem ser boas tartarugas a observar. Ter um lar, uma família. Ter filhos, um trabalho, ter saúde, ter um animal de estimação, ou um amor pra chamar de seu. A lista é grande de “tartarugas”.

Que estão ali, mas que deixamos de vê-las por ignorância, mágoas, ressentimentos, falta de perdão, ou até mesmo de percepção do bem que nos fazem.
São coisas que para serem apreciadas, valorizadas e reconhecidas precisarão ser libertas das correntes da indiferença, rotina ou da falta de gratidão.
Por 50 anos eu via aquele mar, com olhos normais. E, olhos normais não acham coisas especiais. É preciso olhos encantados e assombrados, com o dom de viver, para achar o belo, o bom, o virtuoso escondido em meio ao caos e a perplexidade dos tempos atuais.

Mas, é uma escolha. E racional. Podemos passar o dia reclamando do que não temos, sendo rabugento com quem nos aborda. Fazendo aquele tipo de achar que “nada está tão ruim, que não possa piorar”. Ou o tipo que vive agitado, pilhado, cheio de ansiedade e que busca o sentido na vida, ao contrário do sentido da vida.

Mas, também podemos começar a cultivar uma vida mais simples, mais desapegada, com menos tralhas emocionais a carregar. Uma vida mais empática, solidária e mais coletiva. Uma vida mais leve, de mais amorosidade, autoconhecimento, de busca pelo crescimento interior, de um maior cuidado com o outro, e o consequente respeito.

São estas pessoas que observam as tartarugas.

E, eu quero treinar minha modulação cerebral para ser como elas.
Há coisas boas ocorrendo no oceano de teu ser.
Preste mais atenção, esteja mais presente, e não desista de si mesmo só porque ainda não achou as tartarugas. Calma, tenha foco, persistência e fé. Logo as verá em vários lugares de teu viver. Acredite.
Mas, é uma escolha. E racional.

Este texto não foi sobre tartarugas.

Foi sobre tanta coisa boa que existe no oceano de nosso viver que não mais as percebemos, valorizamos e nos satisfazemos com elas. Até sentir sua falta, num dia comum, daqueles que andamos cegos e indiferentes, ofuscados pela rotina cotidiana, no qual algo nos ocorre e as perdemos. Aí sentimos sua falta. Afinal, como disse Freud, o desejo é o alvo da falta.

Abra o cofre de teu viver ao simples! (Autor Ricardo de Faria Barros)

Era uma manhã de domingo, e o dia prometia uns bons passeios na cidade de Vermilion, em Alberta no Canadá. Naquele dia, um turista resolveu visitar o museu da cidade, no qual havia um velho cofre, fechado há 40 anos.
Ocorre que o cofre pertencia a um luxuoso hotel da região, e o único funcionário que sabia o segredo de abri-lo faleceu, subitamente, sem compartilhar esta informação.
Então, o cofre, junto com o mobiliário antigo do hotel, passou a integrar o acervo do museu. E, todos que o visitavam faziam fila par tentar abri-lo. O que se tornou uma atração à parte daquele museu.
Um cofre daquele modelo possui um mecanismo que geralmente pode ter até de 2 a 6 combinações numéricas de giros à direita e à esquerda. O que, na melhor das hipóteses, fornece uma probabilidade de 1 em 8.000 tentativas.
E, aquele turista acidental foi o predestinado da vez. Ele aproximou-se do cofre, entrou na fila dos que tentavam abri-lo, e, com uma combinação surreal de tão simples: 3 – 2 – 1 (três direita, 2 esquerda, 1 direita), ouviu o estalo do mecanismo se abrindo.
Todos ficaram espantados com o feito, e o assunto virou matéria do jornal local.
Dentro do cofre, havia uma “caderneta de fiado”, com as comandas dos pedidos dos hóspedes feito ao restaurante, para anotar em seus apartamentos, e um contracheque de um dos funcionários do hotel.

A reportagem disse que não havia tesouro algum naqueles documentos, o que eu discordo.
Creio que há belas mensagens na solução deste enigma.

A primeira delas diz respeito à simplicidade, ao retorno às coisas mais puras, serenas e amorosas. Tem algo melhor que conversar na calçada? Ou receber amigos em casa? Ou caminhar pela beira mar? Ou sentir a Brisa Aracati te abraçando e arejando, numa sufocante manhã?

Tem algo melhor que ninar um filho? Ou cuidar de uma pessoa? Ou regar uma planta? Ou passear com um animal e estimação?
Tem algo melhor do que ouvir as histórias de nossos pais, repetidas mil vezes, e com a mesma intensidade amorosa que nos contam?
Tem algo melhor do que receber alta num hospital? Ou saber que o salário deu pra pagar as contas do mês?
Tem algo melhor que dormir em paz, por não ter feito ninguém infeliz no dia?
Tem algo melhor que a sensação de ter ajudado alguém?
Tem algo melhor do que se sentir amado?
Tem algo melhor do que amar?
Tem algo melhor que uma comida caseira? Ou prosear na cozinha?
Tem algo melhor que sentir que as pequenas metas que estabelecemos para nós próprios estão sendo alcançadas?
Todos estes pequenos prazeres são o 3-2-1.
O 3-2-1 é o complexo do simples. É onde mora nossos afetos positivos. O 3-2-1 é libertador. De toda aparência que precisamos usar para nos sentir aceitos. De toda arrogância de qualquer saber que precisamos destilar para nos sentir importantes. Ou de todo poder que precisamos expressar para nos sentir aquele cara.
Andamos procurando a felicidade em lugares complexos, em desejos e ambições enormes, em expectativas superdimensionadas.
Creio que a felicidade é um 3-2-1, que significa resgatar os prazeres das coisas simples, humildes, despretensiosas, como tomar banho de chuva, ou participar de um grupo de amigos que se reúnem para uma determinada causa, ou até do Terço dos Homens.
Não importa o que seja, cada vez me convenço mais que a felicidade mora ao lado, contudo nem sempre é vista, acolhida e saboreada.
Precisamos com urgência voltar a cultivar o simples. Eu falei que havia outras mensagens no cofre, não percebidas pelos matéria do jornal.
No cofre tem dois documentos que expressam a saga da humanidade. Tem um holerite, ou contracheque, e tem um bloco de pedidos de um restaurante.

Creio que aí temos a metáfora do Pão e da Beleza. O Pão do trabalho nosso de cada dia, do valor de nosso esforço, que nos permite ao final de um mês receber os proventos.

A beleza de poder usufruir dos frutos de nosso trabalho, seja numa comanda de um pedido de um prato, comido fora.
Comer fora é a expressão mais popular de lazer. Lembro das vezes que eu saia pelos bairros de Campina Grande-PB, aqueles mais populares, procurando locais que servisse uma comida a preço justo, saborosa e farta.
Os meninos faziam festa. Lembro da Pizzaria La Júlia, no bairro do St. Antônio, que servia uma pizza gigante a uns módicos 20 reais, com direito a um refri de 2 litros. E aquilo fazia a festa de minha filharada de 3 rebentos.
Lembro também de meu primeiro contracheque, do BANORTE, um Banco de Pernambuco.
Olhei fixamente para aquele papel. Tinha um monte de informações, até então desconhecidas por mim.
Ao retornar pra casa, com aquele papel no bolso, senti-me o mais importante ser do mundo. Era o meu salário, fruto de meu esforço, e que não era pouco como compensador no turno da madrugada.
Passei numa loja de eletrodomésticos, comprei uma radiola, um jogo de cadeiras de terraço, assinei umas promissórias, dando como garantia o contracheque, e segui altivo caminhando para casa.
No sábado, meus primeiros bens, adquiridos com meu próprio dinheiro, chegaram em minha casa. Casei às pressas, aos 20 anos, e quem montou meu cafofo foram meus pais, com a suada poupança que fizeram ao longo de mais de 40 anos de trabalho no Senai.
Então, ver aquela Kombi chegando com minhas cadeiras e radiola, deu-me a sensação de que eu estava progredindo. E tem coisa melhor do que esta sensação?
É pessoal, este cofre tem três mensagens para nossa vida.

O valor da simplicidade, o valor do trabalho e o valor de tudo aquilo que podemos fazer com os seus frutos, até comer fora, nem que seja uma vez por ano. Ou comprar um conjunto de cadeiras de terraço.
Nesta sociedade tão materialista, individualista e ambiciosa, que sempre quer mais e mais, parece que os encontros verdadeiros conosco mesmo, os que nos darão uma satisfação mais duradoura e melhor, habitam nas coisas cotidianas: na simplicidade dos afetos do existir, no trabalho e no poder usufruir de seus fritos – e também na simplicidade deles.
Que tal usar uma 3-2-1 e abrir teu cofre e passar a perceber o que tem dentro dele de forma mais intensa e melhor?
Podem ser teus filhos. Teus amigos. Tuas conquistas. Teu parceiro (a) afetivo. Teus pais. Tua empresa.
E tua vida...

Sim, 321 também é o número da casa de meus pais, lugar de afetos quentinhos, de presença de Deus, de simplicidade do aconchego, de quintal de encontros, de encontros fraternos e de cozinha amorosa. Lugar de amor, que acostumamos a chamar de Lar.


Para uma vida mais feliz, precisamos diariamente tomar um AAS. (Autor Ricardo de Faria Barros)

Na noite anterior, eu e o JG (João Gabriel) fizemos os preparativos para uma viagem até Goiânia-GO. Eu iria palestrar no Hospital das Clínicas da UFC, e aproveitaria para passear com o JG que está de férias.
Malas arrumadas, check-list feito, material da palestra conferido, power-point na nuvem e no pendrive. Agora era a hora de dormir.
No outro dia, acionamos o WAZE e o JG assumiu a navegação.
Pegamos a BR 060, com trânsito intenso de ambos os lados, contudo no sentido de Brasília a intensidade era dobrada.
Aos poucos, conseguimos atravessar os trechos mais lentos e galgamos os piores 20 km do trajeto, agora restavam 180.
Mentalmente começo a conferir o check-list.
Escovas, pente, desodorante? Ok. Material palestra, cartões e livros? OK.
Paletó? Xiiii, esqueci!
Esqueci a mala do paletó, e na que levava, só havia bermudas e camisetas. Pegamos o primeiro retorno, e voltamos, agora enfrentando um verdadeiro caos que é a chegada da BR 060 para Brasília.
JG mangava e sorria de meu esquecimento. Eu, nem tempo pra ficar bravo tinha. Dado a atenção que precisava focar no trânsito.
Chegamos em Goiânia esbaforidos de calor, já pelo meio dia e tanto. Ao entrar na cidade nos perdemos, mesmo com o WAZE, e o JG morria de rir com a voz dizendo: “Recalculando Rota”.
Finalmente chegamos ao Hotel, que fica na movimentada Avenida Anhanguera. Desfizemos as tralhas, pedimos um UBER, melhor assim, e nos dirigimos para um clube antigo da cidade, que tem um monte de atrações e piscinas, o Jaó. Eu tinha tempo, a palestra seria no dia seguinte.
Chegamos no JAÓ e fomos barrados na entrada. Ocorre que eles não têm mais o serviço de day-use. Aquele que pagamos uma taxa pra usufruir determinado local, por um dia. A informação que acessei num site de turismo estava desatualizada.
Eu e o JG nos entreolhamos, suados e decepcionados. Então, da portaria mesmo, decidimos ir almoçar numa das maravilhosas churrascarias de Goiânia. Chamamos o Uber e quando ele perguntou pra onde, botamos o nome Churrascaria, aparecendo as mais próximas primeiro. Escolhemos uma com nome estiloso, a La Pampas.
Após dois cancelamentos, finalmente o terceiro Uber aceitou a corrida e nos resgatou, uma meia hora depois. Esperada na calçada e no mormaço.
Silenciosos, cansados e com fome esperávamos ansiosos desembarcar na La Pampas.
E isto ocorreu. Só que ao nos dirigirmos à porta de entrada, percebemos que a mesma estava fechada. E, pela poeira e papeis jogados por baixo da porta, já fazia uns meses.
Seguimos para o hotel, e já era perto das 15 horas. Perguntamos à atendente se tinha almoço, e ela nos falou que como hotel era pequeno, o serviço de restaurante já estava fechado, só estando disponíveis o de lanches rápidos.
Aí, olhei para JG e apontei para a pequena piscina, de águas azuis convidativas, e sem pestanejar mergulhamos nela. Primeiro iriamos matar o calor e o suor, depois ver o que iriamos afina comer.
Nem 5 minutos se passaram, e eis que nuvens carregadas se aproximam, trovões espocam ao longe. Aí começa a pingar e saímos de dentro d´agua, por precaução. JG gargalhando dizia: “Que dia, heim pai!”
Eu respondia, pelo menos estamos no hotel. Poderíamos ter pago caro no JAÓ e estarmos agora tendo que sair das piscinas.
Nos enxugamos, e quando preparávamos para ir ao quarto, uma senhora se aproxima. Ela pergunta se queremos almoçar. Alegres, respondemos que sim.
Ela disse que é a cozinheira e que soube de nossa fome. Que poderia fazer uns bifes com arroz e uma salada para nós, e em menos de 30 minutos. Topamos na hora. E ficamos emocionados com o gesto dela. E, foi o melhor bife com arroz que comi na vida. E o JG idem. Aliás, nunca vi o JG com tanto apetite, nestes dez anos que já fez. Do quarto, relatei para a namorada nossa saga e ela disse uma pérola de sabedoria. Na vida, para ser mais feliz, muitas das vezes, é preciso aceitar, acolher e seguir caminho, sempre que algo não ocorre conforme planejamos.
Fiquei com aquilo matutando por muito tempo. Aceitar. Acolher. Seguir. Lembrei que as iniciais destes verbos formam o acrônimo do AAS, santo remédio infantil. Um AAS curava tudo. Chamávamos, à época, de Melhoral infantil.
Acho que ela está muito certa. Precisamos de um AAS diário para ter uma vida de mais harmonia, bem-estar, paz e felicidade. Vejamos mais um pouco do que se constitui este AAS existencial:
A de Aceitar. E este é o primeiro Portal da transformação do ser, em sua jornada de crescimento. Aceitar nosso corpo. Aceitar que não ganhamos todas. Aceitar que as pessoas nem sempre são o que esperávamos que fossem. Aceitar nossa família. Aceitar que os filhos não nossos bens. Aceitar nosso trabalho. Aceitar uma doença crônica que nos sobreveio. Aceitar que amores se vão. Aceitar nossa posição social. Aceitar que dias ruins ocorrem. Aceitar que não temos controle sobre tudo. E que algo, mais cedo ou mais tarde, poderá sair diferente do que esperávamos.
A de Acolher. E este é o segundo Portal, que se só se chega a ele após atravessar o do Aceitar. Acolher a dias cinzentos. Acolher momentos de luto. Acolher partidas e despedidas. Acolher o que pensa diferente. Acolher o outro em sua essência, para além das aparências. Acolher aquilo que em nosso colo cai, sobre e o que nada podemos fazer, nada podemos mudar, a não ser a nós mesmos, diante daquilo que nos ocorreu. Acolher é uma postura contemplativa diante da vida. Não é de acomodação, nem alienação. É de gratidão. Gratidão por dias bons, por dias ruins. Gratidão, apenas por viver. Quem acolhe se abre à gratidão.
S de Seguir. E aqui temos o terceiro Portal, que na verdade é um caminho. Que só se chega até ele depois dos anteriores: Aceitar e Acolher. Seguir caminho. Refazer-se juntando os mil cacos. Fazer germinar novos sonhos, semeados em terreno irrigado com as mil lágrimas choradas. Seguir é fechar as janelas de mágoa, culpa, ressentimento e sofrer e não olhar ais para trás. Perder o vício de ficar sempre olhando pelo retrovisor da vida, lamentando-se do que deixou pra trás, do que perdeu, do que não viveu. Seguir é postura dos sobreviventes. Dos fortes e corajosos. É preciso muita força de espírito, muito ânimo, para ousar seguir um novo caminho. Mas, seguir preciso. Não é possível crescer ficando na posição de vítima, desilusão ou decepção com o viver. É preciso fornecer respostas à vida, no lugar de ficar apenas esperando respostas dela, e a isto chamamos de seguir o caminho.
Aceitar, Acolher e Seguir, são nosso Melhoral existencial. Uma vida mais feliz e prazerosa passa por estes verbos de posturas ativas tão sábias. Aprendendo eficazmente, e com inteligência emocional positiva, a lidar melhor com situações adversas, a enfrentar momentos tensos e a se relacionar com as quebras de expectativas, imprevistos e fatalidades, como um paletó esquecido, um clube para nós fechado, uma churrascaria falida e trovejadas que nos expulsam da piscina.

Na foto, o JG pulando na piscina, antes do temporal chegar.

Cuidado com o que em ti se enlaça. (Autor Ricardo de Faria Barros)

Arfando entre um passo e outro, já chegando na metade de minha meta de 4 km dia, sinto um aroma gostoso que se mistura ao do orvalho da manhã.
Ele vem de um Manacá de Cheiro (ou de jardim), cheio de suas florezinhas brancas e lilás.
Dirijo-me a ele, para respirar aquele perfume e me animar para terminar os quilômetros que faltam da matutina caminhada. Eis que vejo que algo ocorre com aquela arvorezinha tão bela e florida.
Sua copa está completamente tomada por uma trepadeira, chamada de Erva de Passarinho. A infestação é tão grande que mal sobram espaços para as folhas tomarem sol e as flores florescerem livremente.
Começo a tirar, manualmente, aqueles cipós que se enramam no Manacá. A tarefa é difícil, eles crescem rápido, e basta que fique um deles apenas, e novo invasor se propagará.
As raízes da de Erva de Passarinho se alimentam da seiva dos galhos e folhas, não precisando de terra para se nutrirem.
Um jardineiro do prédio passa a máquina na grama, indiferente ao sofrer do Manacá.
Estabeleço contato com ele e o mesmo me diz que só mata com veneno.
Na minha terra o nome disso é preguiça, pensei...
Retiro mais alguns raminhos invasores e sigo para os quilômetros que faltam.
E tem sido assim, nossa amizade, a minha e a daquele Manacá, e a cada manhã ela se renova.
Ele me dá o perfume de suas flores, eu paro uns minutinhos e retiro, a mão mesmo, as Erva de Passarinho mais visíveis e acessíveis.
Podemos até não vencer esta guerra contra elas, e o jardineiro estar certo, mas eu e o Manacá sabemos que as de Ervas de Passarinho não estão aumentando de tamanho, e já deixas suas folhas, galhos e flores respirarem melhor e tomarem chuva e sol nas faces.
Quanto ensinamento deste Manacá de Cheiro, sufocado pela de Erva de Passarinho, nos inspira.
Quais são as de Ervas de Passarinho que andam se fixando em nossas folhas, flores e galhos?
Roubando de nós a seiva de viver? Tirando-nos potencial de florescer, ao nos asfixiar e nos usar para seus próprios interesses.
Quais pássaros humanos pousam em nosso viver e depositam em nós coisas ruins, que poderão germinar, crescer e tirar a nossa força vital?
Então, este belo e cheiroso Manacá, na sua relação de amizade comigo, tem algo a nos ensinar.
Às vezes alguém em nossa vida, um amigo, um parente, um filho, um cônjuge, pode fazer este papel que eu tenho feito, a cada manhã.
Estas pessoas podem nos ajudar a tirar de nós as Ervas de Passarinhos que nos fazem mal.
Elas podem nos reconhecer, no lugar de nos criticarem.
Elas podem nos estimular ao nosso melhor, no lugar de dizer que de nós mesmos nunca sairá nada de bom.
Sabe gente, às vezes de tanto levar pancada da vida vamos achando que não somos amados, ficando ressentidos, ou resignados, e murchando. Aí, um belo dia, alguém de nós se aproxima e diz que nos ama, que acredita em nós, que nos protege e admira. Uauu, é como se de nós tirassem um monte de Ervas de Passarinho que se enroscaram nosso ser. E uma brisa Aracati muda nossa vida, faz-nos florir e perfumar novamente. Não é assim que funciona?
Têm pessoas que ao entrarem em nossas vidas, deixam-nas melhores até do que nós mesmos ainda acreditávamos ser.
Elas podem ver flores e perfume que ainda temos, e que por estarmos tão sufocados com os galhos invasores que sobre nós fizeram raízes, não percebemos mais.
Estas pessoas poderão nos ajudar a voltar pra casa, a nos reencontrarmos conosco mesmos. A resgatar valores esquecidos e a voltar a acreditar em nosso potencial de florescimento.
Precisamos destas pessoas para nos ajudar a tomar decisões, a enxergar o que não vemos mais, por estarmos tão envolvidos com a situação.
Precisamos de pessoas nas quais confiamos para arrancar coisas que nos oprimem, para cuidar de nós, par nos proteger, para não deixar sermos usados, assediados ou oprimidos por Ervas de Passarinho em forma de gente má e perversa.
Também temos estas pessoas, arrancadoras de Ervas de Passarinho sufocantes, dentro de nós mesmos.
Embora a voz delas nem sempre apareça, ou quando aparece, nem sempre a demos ouvidos, elas estão lá, no mais profundo de nossos pensamentos, consciência e emoções.
É quando dizemos a nós mesmos que chega de nutrir aquela mágoa antiga, aquela inveja mórbida, ou aquele ódio insano, que viraram Ervas de Passarinho e tiram nosso perfume e vigor.
É quando dizemos a nós mesmos que somos melhores do que isto tudo que está aí. Inclusive daquilo que dizem de nós.
É quando dizemos a nós mesmos que é chegada a hora de mandar partir quem já não nos faz bem, mesmo que nos dê uma falsa segurança, a do conforto de gaiolas.
É quando damos um grau na nossa autoestima e não permitimos mais que alguém a diminua. E nos aceitamos, como e quem somos, num pacote autêntico, sem precisar representar personagens para sermos aceitos.
É quando dizemos aos nossos filhos que eles precisam viver a vida deles, sem, contudo, esquecerem de nós, e nós deles.
É quando nos livramos de toda forma de amar codependente, exigente e asfixiante.
É fácil?
Não meus amigos e amigas. O Manacá nem percebe que está morrendo aos poucos. Ele não consegue se ver de onde o vi, todo enramado pela trepadeira assassina.
Também acabamos vivendo situações que vão chegando devagarinho, e nos acostumamos à pequenez delas. É aquele profissional que aceita ser tratado de forma desrespeitosa pelo seu gestor. É aquela pessoa que aceita migalhas de amor, com medo de ficar sozinha. É aquele indivíduo que acreditou que nunca seria alguém na vida, e não mais se esforça pra galgar suas melhoras.
Não é fácil crescer sem as ervas daninhas que se colam ao nosso existir e roubam-nos a força.
Mas, é possível e será uma luta até o fim.
Como disse o jogador do Flamengo, o Bruno, ao comentar uma bela e importante vitória, na qual o time perdia e faltava uns 8 minutos para encerrar a partida: “No vestiário dissemos, vamos até o fim”.
E é uma bela analogia para a luta pelo nosso crescimento existencial, ir até o fim. Sempre haverá coisas a trabalhar em nosso amadurecimento, e aprendizagem, na escola da vida.
Sempre haverá uma voz da consciência, em forma de angústia, dizendo-nos que algo não vai bem e que precisamos sobre aquilo atuar.
Sempre haverá um amigo, uma pessoa em quem confiar, que por amor chegará até nós e nos ajudará a sermos melhores, depois da passagem dela em nosso viver.
Querido Manacá, resista ao sufoco e anemia, pela seiva que lhe é roubada!
Amanhã tirarei mais invasoras de seus galhos, folhas e flores, e não estarei só. Estarei com cada um que chegou até aqui nesta minha crônica.
Agora vou ali, tirar novas Ervas de Passarinho de minha alma.
Vem comigo, pode até doer na hora, mas depois ficaremos bem melhores.

Sequestradores Digitais da Atenção (SDA), por Ricardo de Faria Barros


Na caminhada matinal, uma babá se distrai ao celular, enquanto gêmeas, de uns 4 anos, brincavam sozinhas no cercadinho da quadra de esportes.
Mais à frente, a situação se repetiu: seja com um gari, que entre uma vassourada e outra acessava suas Redes Sociais, e até com uma passeadora de cachorros, que languidamente parou o serviço, sentou-se num banco, e foi acessar o celular.
Os Sequestradores Digitais da Atenção (SDA) são um fenômeno mundial e seus impactos comprometem à produtividade, os estudos e até o desenvolvimento da socialização e empatia.
Cada vez mais sofisticadas, as Redes Sociais operam na mesma perspectiva das drogas e podem viciar.
A pessoa sente uma ansiedade enorme de checar as curtidas, de ver o que ocorre na vida dos outros, ou até mesmo de expor seu dia a dia, nutrindo as expectativas de seus seguidores, e recebendo reforços positivos às postagens.
Facebook, Instagram, WhatsApp podem ser classificados como líderes no negócio dos SDA, e correndo ao lado temos os GAMES.
Enquanto digito esta crônica, escrita na mesa de um dos bares mais famosos de Brasília, o Libanus, que já tem 30 anos de casa. Percebo que à minha frente quatro pessoas acessam suas redes sociais. É uma sexta-feira, perto do meio dia.
Nenhuma delas está prestando atenção ao redor. Nem fizeram algo que era tão comum em bares, que era cumprimentar as mesas vizinhas, socializar.
Está cada uma delas em seu mundo virtual, enquanto o mundo real ocorre ao lado.
Role a tela do Facebook e você terá diversão para umas horas. Role a tela do Instagram, idem. Tente ler, e responder, as mensagens de seus contatos do Whats e terá mais uns bons minutos de entretenimento.
E a vida vai se tornando algo digital.
Os SDA sabotam a percepção do que ocorre ao nosso redor. Um pássaro que gorjeia, que pelo canto deve ser um João de Barro. Um caminhão de cerveja que tomba na rotatória, derrubando uns 4 engradados no chão. Crianças que tentam tirar uma bola que ficou em cima do toldo do Libanus. Um pai que volta com os filhos da escola, trazendo-os na cadeirinha da bike, cena mágica.
Nada disto foi percebido pelo pessoal da foto.
Quantos livros estamos deixando de ler para acessar o Instagram? Quantos filmes? Quantos diálogos? Quantas caminhadas, aventuras e experiências presenciais?
Quanta vida lá fora, no mundo não digital, estamos deixando de viver, por termos deixado nos seduzir por migalhas digitais de afeto? Nos tornando escravos de curtidas, checagem de postagens, e presença online no ZAP.
A coisa anda tão séria, que uma pessoa manda uma mensagem urgente pra você no ZAP e é como exigisse que você a respondesse logo, e na mesma velocidade, como se tivesse o dever de estar conectado com ele. Ninguém telefona mais pra ninguém, perceberam?
Vivo isto em casa. Meu JG, dez anos, está acessando demais os games de celular.
Tenho me esforçado para incluir outras áreas de prazer na vida dele, mas é uma luta desigual.
Os games são produzidos para gerar dependência. São troféus recebidos, são fases conquistadas, bônus, vidas, disputas, moedas virtuais e até pessoas que jogam junto, on-line, e que reforçam a dependência.
Outro dia o chamei para ver um dos lançamentos de filmes de Natal da NETFLIX, chamado KLAUS, e foi difícil mantê-lo atento.
A ansiedade que a consulta às redes sociais e games provoca, gerando hormônios da oxitocina e dopaminas, acaba por provocar um estado de completa apatia, a tudo que não opere na mesma velocidade, e na pegada das “rodadas de tela”.
E estamos adoecendo de atenção sequestrada digital. Perdemos o interesse em nos conectar em tudo que não seja digital.
E a vida vai passando, e sem replay, e nós vamos ficando com sequelas na cervical e dedos das mãos, de tanto reclinar o pescoço para tela e de tanto digitar.
Mas, a maior sequela não será esta. Será a de uma vida que passa ao largo, sem ser percebida, como o canto de um pássaro, a música que toca, a brisa que alisa a pele, o trovão que ecoa ao longe, o burburinho de um bar, ou a fisionomia sorridente de um garçom que te atende. E, sem falar na comida que comeu, que de tão ligado nas Redes Sociais, amanhã nem lembrará o que foi.
Como podemos nos ajudar?
Primeiro, partindo de uma autoconsciência da qualidade do investimento do capital tempo em nossas vidas.
Depois, tomando medidas preventivas ao vício digital, como as sugestões abaixo:

a. Retirar todas as notificações automáticas de mensagens, inclusive dos Games.

b. Criar rotinas, mais espaçadas de tempo, para checar o que ocorre no mundo virtual.

c. Ressignificar outros prazeres para distrair, ou ocupar o tempo.

d. Reaprender a fazer conexões reais: com o porteiro do prédio, com o vizinho, com os amigos, com a família, deixando de lado nestes momentos a ansiedade de teclar.
Estando inteiro e presente ao encontro.

e. Experimentar ligar para as pessoas ao invés de mandar mensagem. 
Tire um dia para isto. Escute a voz dela, perceba que em uma mensagem de texto você não sente a sua a voz, e melhor ainda é se puder visitá-la.
O texto não tem tonalidade, gesto, expressão... e não se sabe a ênfase de uma frase.  Só a voz acalma e liberta. Como é bom ouvir a voz de minha Brisa Aracati...

Uso as próprias redes sociais, com um sorriso maroto no rosto, para divulgar este texto. Sabotando-as, ao desafiá-las para que não dominem o nosso viver, ao criarem um mundo Matrix para habitarmos, repletos de youtubers, curtidas, seguidores, Zaps, Instas e Faces, carentes de um clique sequer.

Nas promessas para o ano novo, inclua um detox digital. E verás o quanto de coisas bacanas ocorrem, no mundo real, enquanto tu estavas fixado na rolagem das telas de um celular de última geração.

Carta aos Netos – Lucas, acolha tuas cólicas, elas são prenúncios de crescimento (Autor Ricardo de Faria Barros, avô do Lucas)

Sabe meu neto Lucas, neste domingo eu fui te visitar e reinava no teu lar um ambiente de paz aliviada. Tua família tomava um delicioso café da manhã e um clima de serenidade invadia toda a tua casa.
O motivo para aquele ambiente, quase angelical, era que finalmente você conseguira dormir, após se contorcer com cólicas por um tempão.
Teu corpinho está se desenvolvendo rapidamente. E, agora, chegando ao 1 mês de idade, teu intestino vai quase que triplicar de tamanho, e as cólicas dos movimentos peristálticos vão incomodá-lo um pouco.
O bom é saber que logo que passam, e bate a fome, tu se lambuzas novamente de leite, ao ponto de escorrer pela boca, como esta foto registra.
E aqui, neto amado, eu deixo uma reflexão para um dia tu ler.

Há um montão de coisa boas em nossa vida, que só aprenderemos sobre elas ao crescermos, e que nos provocarão cólicas. Mas, não podemos nos afastar delas pelas cólicas que geraram. Como tu não se afasta dos peitos de minha filha para amamentar com gosto, mesmo sabendo que logo depois irá se contorcer de dor.

Tu terás as cólicas amorosas. Eita que quem nunca as sentiu não sabe ainda o que é viver. Elas aparecem quando tu esperas a hora de ir ver tua paixão. Quando está esperando ela chegar de viagem. Quando ela demorar para responder a uma mensagem tua. Ou quando ela adoecer e tu cuidar dela. São as cólicas amorosas. Das melhores que terá. Sei que algumas delas irão te fazer sofrer, que pensará até em desistir deste negócio de afeto a dois. Algumas delas te farão arrotar, um arroto choco, outras te farão chorar de dor. Mas, amado neto, como provar o saboroso leite do amor sem passar pela dor? Então, não desista de amar, só por causa das cólicas que poderá sofrer.

Tu também terás as cólicas estudantis. Como eu me lembro delas. Antes de uma prova, antes de um vestibular, antes de uma pergunta que o professor está fazendo para a turma. Ou, quando tiver que apresentar um trabalho. Estas cólicas te farão sentir-se vivo, atento, pronto pra responder ao desafio. Algumas poderão querer gerar em ti um certo pânico, te fazer ficar muito nervoso, e até esquecer o que tinha estudado, dando um branco. Tenha calma consigo mesmo. Nem se cobre mais do que a conta. Não quero um neto que tire sempre 10, nem um neto perfeito. Muitas das vezes um 7 já estará de excelente tamanho. Então, cuidado para não estar gerando cólicas desnecessárias, procurando atingir a perfeição.

Tu também terás as cólicas profissionais. Aquelas que aparecerão quando precisar lidar com pessoas insalubres, inclusive chefes. Ou quando estará prestes a terminar o prazo de alguma meta ou projeto, e ainda veja que falta muito para alcançar. Estas cólicas profissionais nos açoitam muito. É quando nos colocamos diante de desafios de carreira, ou até mesmo quando participamos de processos seletivos. Aí elas aparecerão no antes, no durante e no depois. Mas, não tem jeito, como crescer profissionalmente sem passar por estas cólicas? Só não as sente que não gosta do trabalho, ou vai naquele lugar só bater o ponto, sem se envolver e sem se engajar.

Tu também terás as cólicas existenciais, aquelas provocadas quando estamos na iminência de tomar decisões que poderão mudar o curso de nossa vida. Aiaiai, neto amado, como estas cólicas doerão! Quem te dará a certeza sobre o decidido? Quem te dirá que optar por um curso superior, em detrimento do outro, será a decisão mais correta? Quem te dirá que optar por mergulhar em um novo amor será de fato bom para ti? Quem te dirá sobre a mudança de cidade, de emprego... Só o tempo. Mas, lembre-se que nada é pra sempre. Nem as decisões que tomou e que não foram as mais corretas. Ainda assim poderá ter novas cólicas para tomar novas decisões, saindo deste estado de insatisfação. E, de decisões existenciais em decisões existenciais tu vai achando teu caminho. Aprenderá que ele se faz é no caminhar. E que é melhor uma vida com cólicas existenciais do que uma vida apática, desanimada e sem nada que te faça perder noites de sono. Que se angustia prenuncia mudanças. E sem mudanças não há crescimento, assim como as tripas de teu intestino estão fazendo. Crescendo para que tu cresças também. Mas, cuidado com este tipo de cólica. Elas pedem um tempo para serem avaliada, maturadas, mas não fique a vida toda em cima do muro. Decida-se, corra os riscos. Se pegue no peito da vida e mame com gosto. Assumindo as rédeas de teu viver e das escolhas que venha a fazer.

Por último, e não menos importante, tu viverás as cólicas familiares. São cólicas maravilhosas. Porque nos fazem sentir que estamos conectados a algo maior, a uma família. Tu as sentirás quando teus filhos, meus bisnetos, tiverem um cólica, como as tuas de agora. Ou quando forem participar de um campeonato estudantil, como o teu tio, o João Gabriel (JG), participou no sábado, véspera de minha visita a ti. E atuou no goleiro. Qual pai não sente cólica neste momento? Tu também terás estas cólicas quando estiver grávido, e serão bons 9 meses que te acompanharão com elas. Tu as sentirás quando um dos teus for participar de algo importante na vida deles, até na de teus pais. Ser pais e mãe é viver sempre tendo cólicas pelos filhos.


Sabe Luquinhas, tem uma música que acho muito bonita e se relaciona diretamente com esta minha cartinha pra ti, ela é do Vinicius de Moraes e chama-se “Como Dizia o Poeta”. Veja que letra bacana:

Quem já passou por essa vida e não viveu,
Pode ser mais, mas sabe menos do que eu.
Porque a vida só se dá pra quem se deu,
Pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu.

Quem nunca curtiu uma paixão
Nunca vai ter nada, não.

Não há mal pior do que a descrença,
Mesmo o amor que não compensa
É melhor que a solidão.

Abre os teus braços, meu irmão, deixa cair.
Pra que somar se a gente pode dividir.
Eu francamente já não quero nem saber
De quem não vai porque tem medo de sofrer.

Ai de quem não rasga o coração,
Esse não vai ter perdão.
Quem nunca curtiu uma paixão,
Nunca vai ter nada, não.



E viver significa fazer o que precisa ser feito para ser feliz. Seja nos amores, nos estudos, no trabalho e na família. E tu não poderá terceirizar tuas cólicas nestas áreas da vida. Elas são tuas e terá que passar por elas.
E, continuar mamando, após superar a dor, de forma generosa, intensa e gostosa, mesmo sabendo que poderá ter cólicas depois.
Se tu não mergulhar na vida não a viverá em todo seu esplendor. Pode até não vir a sofrer com as cólicas, mas também não amará, não será um bom profissional, não crescerá!
Aprenda esta dica, o foco é no leite, na gostosura da fome de viver saciada! Mesmo que venha a sofrer com isto. “Porque a vida só se dá pra quem se deu, pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu...”


Na vida, para ser mais feliz, aprenda a também celebrar a Prata. (Autor Ricardo de Faria Barros)


Era dia de final do torneio de futebol Sub-10, um campeonato interescolar do qual você participava.
Estávamos muito ansiosos. Cada um por suas razões. Você por atuar no gol. Eu, por ser pai de goleiro, que só perde em aflição pra mãe de juiz, antes do VAR.
Chegamos bem cedo, umas duas horas antes, e você disse que iria treinar com os colegas.
Fiquei no carro ouvindo música, esperando mais um pouco para ir torcer, já que o jogo só começaria 19h30.
Pelas 18h30, encostou outro carro ao lado do nosso. Dele, saiu um menininho, de tua idade, mas com o padrão de outro colégio. Puxei conversa com ele, perguntando se iria jogar contra o teu time. Ao que a mãe dele, toda orgulhosa, disse que não. Que o seu filho iria disputar o terceiro lugar, na outra final.  Ahh, esclareci então que o teu jogo era a disputa do primeiro lugar.
Teu jogo começou e o resultado não nos foi favorável. Embora você tenha defendido muitas bolas, de tanto eles tentarem conseguiram fazer dois gols. E, o ataque de teu time não conseguia passar do meio do campo.
Na hora da premiação, parte dos teus amiguinhos choravam. Você estava de cabeça baixa. O técnico distribuiu as medalhas de segundo lugar para os pais presentes, e eu tive a honra de te premiar com uma delas.
Tentei te animar, mas vi que era melhor te deixar quieto, na tua sofrência.
Por uma das coincidências da vida, ao retornarmos para nosso carro ao nosso lado também retornava o menininho do estacionamento e sua mãe. Vi que no peito dele estava a medalha de terceiro lugar. Cumprimentei ele, ao que fui correspondido com um sorrisão do mesmo, que era todo alegria. Nem me fale da mãe dele, que não se cabia em tanto orgulho.
Voltamos silenciosos. Então, te perguntei qual dos dois times venceu mais partidas durante o campeonato. Se o teu, ou o dele.  Tu fez as contas e chegou a conclusão que ambos. Só que em momentos diferentes.  As vitórias do teu time, o percurso que trilhou, permitiu chegar ao 2 lugar. A do outro time, permitiu chegar ao terceiro lugar.
Mas, parece que o time que consegue a medalha de bronze vibra mais do que o que perde a de ouro.
Não é?
No de bronze, fica o sabor da vitória. E valorizam ter chegado ao pódio.
No de prata, fica o desgosto da derrota. E desprezam ter chegado ao pódio.
Esta metáfora vale pra nossa vida. Temos esta característica também, de desvalorizar os feitos ao longo da jornada.  Assim como tu esqueceu todas as vitórias que te levaram chegar ao segundo lugar, também esquecemos as nossas.
Basta que algo de ruim nos ocorra, num fechamento de um ciclo, numa transição, que pegamos aquela cena e a extrapolamos para todo o conjunto de nosso viver. Ampliando, ecoando e reverberando a intensidade daquele sofrer.
Vamos dizer que em tua carreira você progrediu em 10 anos por cinco níveis, sendo três neles na carreira técnica e dois na carreira gerencial. Aí, tu vai participar de uma seleção para o próximo nível da carreira gerencial, e não passa na entrevista.
Aí tu passa um tempão de tua vida com esta mágoa remoendo teu viver. Tu fica ruminando a seleção que não passou. Esquecendo as vitórias que já teve e o lugar que já chegou.
Do mesmo jeito que tu ficou em relação ao segundo lugar. Esquecendo que o segundo lugar é melhor que o terceiro.
Se tu pode aprender algo é esta lição. Nada na vida é para sempre. Nem a alegria, nem a tristeza.
A vida não pode ser medida como quem mede uma safra de inverno. A vida precisa ser avaliada numa perspectiva temporal maior, e sempre em referência social, para poder ser contextualizada.
É preciso intervir no processamento cerebral, modulado para sintonizar no negativo, sempre que algo de ruim ocorrer que possa querer tirar o brilho da jornada até então percorrida. Focando com força na cena atual que não é boa, que causa desprazer, mas perdendo de vista as anteriores, que num somatório causam tanto orgulho em teu existir.
Isto é arte. Exige treino. Nessa sociedade somos treinados para sermos os melhores, maiores e mais fortes. Uma sociedade que diz que o segundo lugar é do primeiro perdedor. Uma sociedade que não perdoa o fracasso, e que vive querendo nos iludir com promessas de prosperidade a todo custo, com frases ditas desde a infância:  
“Você é o mais demais de todos...”
“Você merece tudo!”
“A natureza conspira para você, é só mentalizar.”
“Você é o cara e logo vai arrebentar!”
Filho, você não é demais de todos. Não merece tudo Não adianta mentalizar, não funciona assim, precisa se esforçar. E nem vai arrebentar logo, e talvez nunca.
Mas, mesmo assim, pode encontrar a paz, o sentido na vida, se sentir bem em ser quem é, sem precisar viver personagens para ser aceito.
Verá que nem todos ganham, e que perder faz parte do processo de aprendizado. E, que muitas vezes, aquilo que almejava tanto, talvez não tivesse sido tão bom para ti.
A vida vai nos ensinando isto,  pouco a pouco, mas é preciso estar na frequência certa, para aprender isto.
É preciso aprender a carregar menos fardos. Deixar de perseguir um estilo de vida insustentável, cheio de ambição, inveja e cobiça.
O preço disso é a nossa saúde emocional. E é um preço caríssimo.
Então, da próxima vez que ganhar uma medalha de prata, valorize-a. 
Lembre-se que do ponto de vista do pódio, ela está mais no alto do que a de Bronze!

Para quem já se sentiu como um bolo que queimou. (Autor Ricardo de Faria Barros)


Era um dia de aula especial para a Milena, lá no IBMEC-DF.
Ocorre que o professor autorizara que naquela noite os alunos poderiam levar seus amigos, para junto com eles refletir sobre o papel do Bem Estar Subjetivo Positivo, uma das mais importantes descobertas da psicologia positiva.

Os alunos, Milena e Jean, convidaram seus pais.
Milena, depois de um dia super atarefada no trabalho, e umas duas horas antes da aula, teve a ideia de preparar uma de suas especiarias culinárias, para fazer um mimo pra turma, levando um delicioso bolo.
Mas, era muita coisa pra Milena pensar. Banho, unhas, cabelo e o bolo.
E, de tanto pensar, eis que enquanto toma banho um odor de bolo queimado invade o chuveiro.
Jean, seu irmão, grita: 

- Milena, o bolo tá queimando, acuda!

Ela, sai do banho correndo, pingando água por toda a casa, desliga o forno, e olha desolada para o que sobrou do bolo, totalmente esturricado.
Sentada na cozinha, desconsolada, não sabia como reagir a tamanho infortúnio, que quebrou suas expectativas de mimar a turma com um de seus quitutes.
Jean, sai de perto. Deixa a irmã viver seu próprio luto. E até pensa em passar numa padaria.
Mas, não seria a mesma coisa. Não era o bolo da mana.
Milena, levantou a cabeça, e lembrou-se da aula anterior, de Capital Psicológico, na qual um dos temas foi a Resiliência Sábia. Que é a capacidade de se adaptar à determinada situação, meio que dar um passo para atrás, avaliar a situação, aprender com ela, e saltar à frente.
Saindo da posição de vítima das circunstâncias. Saindo da posição de esperar respostas da vida, e, no lugar, oferecer respostas à ela.

E foi o que a Milena fez.

Ela tirou o bolo do forno. Avaliou os estragos. E percebeu que talvez o recheio tivesse escapado do fogaréu.
Então, raspou uns 10 cm da crosta queimada, e percebeu que o seu interior ainda estava perfeito, sem ter passado do ponto e com uma aparência deliciosa.

E, convenhamos, o bom do bolo é o recheio, não é?

Aí, ela pegou uma lata de Leite Moça, que era como eu a chamava antigamente, misturou com flocos de coco, e criou uma nova cobertura.
Ao chegarem na aula, ela e seu mano, sorriram pra mim e disseram: “Professor, trouxemos um bolo e os nossos pais como convidados.”
A ideia era que os convidados fossem recebidos com uma espécie de lanchinho de boas-vindas.
Aí, ela toda feliz foi logo me dando uma fatia de seu bolo.
Confesso que hesitei, por alguns segundos. Desde pequeno não como doce. Não porque meus pais não me deram. Mas, algo em mim não sente muito prazer em doces.
Mas, como não comer o bolo da Milena? Peguei minha fatia, deixei em cima da mesa, e disse que abriria uma exceção pelo gesto tão bonito dela, o de fazer um bolo para nós.
Comi e estava delicioso, molinho, suculento, com um sabor de carinho.

Aí, no meio da aula, ela compartilhou a história daquele bolo. E ficou melhor ainda. Agora, com o contexto, não era qualquer bolo. Era o bolo da redenção, quase uma fênix.
Um bolo com sabor dos que se reinventam, após as dores, sofreres, decepções e lutos.
Um bolo que se chama Resiliência.
Um bolo que nos representa.
Então, se você que me lê está passando por um momento difícil em teu viver.
Se acha que teus sonhos e projetos de vida mais especiais queimaram, enquanto tomava banho.
Faça como a Milena.
Raspe a parte queimada, mergulhe no fundo de si mesmo (a), e veja o quanto de coisas boas ainda lhe resta, lá no recheio de teu viver, naquele lugar onde as coisas realmente importam.
O resto e a casca são aparências.
Tem um monte de coisas boas no recheio de tua vida. Bote por cima delas um pouco de Leite de Moça, e tá feito novamente a beleza de teu degustar da vida e do viver.
Se ficarmos focando na parte queimada, acharemos que não tem saída. Que acabou. Que não tem mais jeito.
Se olharmos para nossa força interior, para nossa essência, encontraremos lá dentro a coragem de recomeçar, de nos reinventar, de nos transformar em algo melhor ainda, do que o antigo bolo, caso não tivesse sido tostado.
Porque agora temos o sabor de quem joga o jogo da vida, e quem joga o jogo da vida se sente vulnerável, muitas das vezes.
Se sente perdido, desencantado, desanimado. Mas, são sentimentos volúveis. Que se dissolvem tão rápidos quanto à corrida do chuveiro da Milena, para desligar o forno.

Porque os que encaram a vida com bravura não tem tempo, nem disposição, para ficarem chorando o leite derramado, à beira do caminho. Eles são daqueles que se levantam e voltam pra casa, embora tristes, mas cheios de esperança, que num amanhã possível as vacas darão leite novamente, e que ele não mais deixará o vasilhame cair.
Bora gente, vamos tratar de raspar a parte do bolo da vida que queimou. Tratar de arrumar uma nova cobertura. Acredite, teu recheio continua bacana!
Obrigado Milena, a aula foi você!

Que Sociedade Estamos Criando para Nossos Filhos? (Ricardo de Faria Barros)


As reportagens acima são deste ano. E, no seu conjunto, retratam uma sociedade doente, doente de si mesma. Cada vez mais cheia de seus próprios direitos, e pouco tolerante com os direitos dos outros. Uma sociedade perversa com o tido como diferente e alienada, na construção de relações sociais, mediadas pelo diálogo.

Entrevistadas, estas pessoas dirão que só estão defendendo o direito delas. Ao dormir, ao não falar, ao ir e vir, conforme abaixo, vejam:.

As moradoras da praia de Cabo Branco, foram à Câmara dos Vereadores, reclamar que o projeto de acesso dos cadeirantes até a praia iria desvalorizar seus apartamentos, pela alteração do fluxo de trânsito de veículos no local, dificultando o acesso aos seus imóveis.

O Uber explora o filão de pessoas que gostam de se protegerem dos outros, cultivando endeusadas individualidades, um tanto narcisistas e egoístas. Pessoas com a Síndrome da Intolerância à Gente, muito comum nos dias atuais.

A vizinha que denunciou o choro de crianças, alegou que o barulho matinal e frequente, tem tirado seu sono e fere as leis do silêncio do condomínio, sendo passível de notificação.

Visto da perspectiva deles, há uma racionalidade em seus propósitos.  O problema é que a teia social de coletividade, a noção do todo, é pautada pela premissa da urbanidade.

Então, à racionalidade deve ser moderada pela urbanidade. Que são práticas sociais que expressam afabilidade, civilidade e cortesia entre os povos que habitam um mesmo ecossistema social.

Uma sociedade em que todos têm direitos, e que eles se sobrepõem aos dos outros, é uma sociedade fadada a morrer, e de solidão.

Nunca esqueci um post de amigo que viajava de avião com o seu bebê de 6 meses. Eles estavam indo ver os parentes em Recife. Então, ele distribuiu uns 20 chocolates, envoltos num bilhete que dizia assim:

 "Aceitem este chocolate como forma de  minimizar os transtornos com o barulho do horo de nosso filho".

Fiquei pasmo com isto. Que sociedade é esta que pra viajar com crianças, que choram pela pressão do ar em seus ouvidos, precisamos comprar chocolates e fazer bilhetes?

Que sociedade é esta que denuncia um post de uma mãe, feito ao amamentar seu filho, por considerarem que ela expôs o peito em local público, "desrespeitando os puros olhares" dos transeuntes.   Que sociedade é esta que ver um peito que erotiza, no lugar de um peito que alimenta?

Estamos ficando muito chatos. Chatos demais.  Cheios de não me toques, cheios de nossos próprios direitos.

Com pouco espaço para a tolerância, flexibilidade, para a aceitação de algo que ocorre no momento, e que não é para sempre.

Estamos sempre armados, e o meio digital amplificou esta agressividade.

As pessoas encontram suas bolhas digitais de intransigência e se retroalimentam com elas, além de receberem, naqueles espaços,  apoio e reconhecimento pelo "seu jeito de ser, fazer e acontecer" perante a vida.

"Mandou bem, se fosse eu denunciaria também estas crianças choronas. Não tem mãe não?"
"Tem mais é que ficar calado mesmo, não pago pra ouvir motorista de lero lero".
"Fez muito bem em proteger teu imóvel. Logo eles ampliam este projeto e tomam todas as nossas áreas públicas com estes cadeirantes".

Urge voltarmos a cultivar a urbanidade, irmã gêmea da empatia.

Deixar aquele motorista de ônibus passar primeiro, afinal ele transporta muita gente.
Esperar a pessoa que vem correndo pra pegar o elevador, e fingimos não ver ao acionar o botão de subir.
Dar o lugar na fila, pra quem está com mais pressa.
Não estacionar em vagas reservadas para outros públicos.
Tornar visível e tratar bem as pessoas que nos servem.

A lista é imensa.

Uma das melhores fórmulas de se ampliar a urbanidade é com aquela pergunta, e se fosse eu que estivesse no lugar dele?

E se fosse eu que teria uma alegria ao mergulhar no mar, após um acidente que me deixou de cadeiras de rodas?

E se fossem meus filhos, chorando por alguma doença, ou birra incontrolável?

E, se fosse eu o motorista que precisasse do diálogo com seus clientes, para se sentir diferente de um piloto automático, um autômato, que passará longas horas em trânsito pesado pelo dia afora.

Mas, para se fazer esta pergunta: "E Se fosse Comigo?" é preciso ter uma forma de sabedoria que considera o outro em sua própria dignidade e necessidades.

E, talvez aí, seja pedir muito nos tempos atuais!

Tempos em que estamos sendo educados, e em todas as instituições, para o culto ao nosso Eu.

Seja em Programas de Coaching, seja na Teologia da Prosperidade, seja em ofurôs corporativos, seja em livros de auto-ajuda que vendem como água.

"Você merece."
"Você vai ganhar, basta acreditar".
"Você é o cara"
"Você pode."
"A natureza conspira para você."
"Logo vão descobrir você e irá então arrebentar."

Não merecemos tudo que queremos.
Não vamos ganhar nada, só por acreditarmos. E, perder faz parte da vida.
Não somos o cara. Somos mais um dos caras.
Não podemos tudo que queremos.
A natureza não conspira para satisfazer nossos quereres. Ela tem mais o que fazer.
Não vamos arrebentar logo. Nem nos descobrirão. No máximo, vamos subir uns degraus, não sem nos arrebentarmos é de esforço, foco e investimento em priorizações.

É preciso deixar de ser arrogante e besta na vida e o viver.  Caso contrário, seremos uma sociedade de solitários, pois ninguém consegue fazer e manter amizades com pessoas que só pensam nelas, que só elas importam e têm direitos.

Todo mundo cheio de razões, e vazio de sentido na vida e felicidade.

Cartas ao JG - Preste Atenção às Flores e Frutos à Beira do Caminho (Ricardo de Faria Barros, pai do João Gabriel - 10 anos)


Sabe meu filho, naquele final de semana de agosto-2019 o calor estava insuportável no Distrito Federal.  E o pior nem era o calor, era a baixíssima umidade, tendo sido decretado o Alerta Vermelho.
Você estava gripado, e na noite do sábado para o domingo, pela madrugada passei um tempo acordado, segurando tua mão.
Eu me embalava na rede, você dormia no sofá-cama, e, após um acesso de tosse, eu acordei e segurei tua mãozinha.
Era como se eu quisesse te proteger, te dar carinho, te fazer melhorar.
Você, ainda dormindo, correspondeu ao meu aperto de mão.
Pode ter sido até um reflexo físico mas, preferi voltar a dormir, de mão dada contigo, achando que tu tinha correspondido ao meu gesto de amor.

Quanto tempo eu terei ainda para dormir apertando tua mão, enlaçado à ela?

A juventude vem chegando em tua vida, e à galope.
Teus dez anos agora se esticam, diariamente, em formas que não cabem mais nas roupas.
E, a cada semana que te vejo, a sensação é que tu cresceu mais um pouco.
Acho que todos os pais com guarda compartilhada vivem isto quando vão buscar seus rebentos.
Tenho vivido isto mais intensamente, ou ando prestando mais atenção, ou mais sensível. Ou tudo isto, junto e misturado.
No meio da manhã de domingo, seu tio manda mensagem convidando-nos para um almoço na casa dele, que fica no mesmo condomínio onde você mora, lá pelas bandas do Jardim Botânico de Brasília e de São Sebastião-DF.
Certifico-me, prudentemente, que só estarão meu irmão e cunhada. Teu resfriado pode contaminar a Priscila,  tua irmã, que está grávida de 8 meses, do Lucas, meu primeiro neto.
Tudo certo, só nós quatro, então partimos para lá.
No caminho tu dorme que baba. Combinei com o Guga de chegar 12h30. São 12h e já estou no condomínio. Como sempre, chego antes nos compromissos.
Mas, eu tive pena de te acordar, e fiquei zanzando de carro, para que continuasse a dormir mais um pouco.
Lembrei-me do quanto era gostoso dormir no carro de meus pais, quando a maior aventura e felicidade, na tua idade, era ouvir a voz deles chamando para "dá uma voltinha de carro" pela cidade.
Como aquelas "voltinhas" sem parar em McDonalds algum, ou coisas da espécie, eram boas.
Sabe filho, a gente precisava de muito pouco para ser feliz, como crianças.
Só precisávamos de nossos pais inteiros ali conosco. "Dando uma voltinha". Sem estarem acessando, eles e nós, as redes sociais e os games.
Era o momento de uma prosa maneira, de se encantar com uma nova rua que recebia os paralelipípedos, e de falar das últimas realizações no Senai, local onde ambos seus avós trabalharam por mais de 40 anos.
Mamãe era a mais tagarela, e adorava saber de nossas novidades no colégio. Falávamos de nossos receios com as provas, pressão escolar, etc e ela só dizia, continuem se esforçando, isto também passa.
Papai era o bom-vivant, sereno e seguro, ele nos passava a sensação de que o amanhã seria melhor.
Com eles aprendi o valor concreto de duas posturas diante da vida.

Uma ligada à Esperança, de esperançar. Dizer que o "amanhã será melhor", nos energiza para mobilizar recursos no hoje, intencionalmente, para que este amanhã possa de fato ocorrer. E era assim que ele nos educava. Ao nos ensinar a ter paciência com as sementes que plantávamos. A ter tenacidade diante dos aperreios da vida, e continuar dando o nosso melhor.
Sabe filho, nunca esqueci quando sofri severo acidente de moto, e tive um traumatismo craniano.
Ao ter alta, e papai me levar para minha casa, eu pergunto pela minha moto. Onde estava, em qual oficina.
Aí, ele me mostra uma bicicleta que comprou pra mim, até com campainha de inox, e diz que investiu o que sobrou da moto nos remédios, hospital e na bicicleta. Quando ameacei ficar triste, com a perda e o ocorrido, ele solta um: amanhã será melhor. Vá trabalhar de bicicleta, é mais seguro. Pensar que foi esta bicicleta que me fez entrar no BB. Mas, isto já é outra história que depois lhe conto.
Esta era a marca de papai em tudo que fazia, e diante de todas as dificuldades que enfrentaram para criar três filhos, morando de aluguel e estudando em colégio particular.  Era uma esperança ativa. Ele tinha esperança dos filhos passarem de ano, mas não ficava sentado à beira do caminho esperando que algo de mágico ocorresse, neste sentido. Pelo contrário, apoiava mamãe nas exigências de tomar as lições, de cor e salteado.  E, bastava um olhar dele, para voltarmos à tabuada.

A outra é ligada a uma disposição atitudinal, o Otimismo. "Isto também passa", falava mamãe quando lhes trazíamos alguma dificuldade, ou resistência pra fazer algo. Como meus treinos de natação, tão jovem, para correção de um problema ortopédico no diafragma.  Era uma postura diante da vida, que quando algo de ruim ocorria sabia colocar aquilo como específico, passageiro e contido ao ocorrido, sem sair melando todas as áreas da vida. O que hoje se chama de Otimismo Aprendido, mamãe já ensinava no século passado, sem nunca ter lido nada de psicologia positiva.

Você deu uma roncada e me tirou dos devaneios da tal "vamos dar uma voltinha?".

Ainda faltavam dez minutos, para as meia hora de soneca boa que te daria, então lembrei-me que num determinado lote, ainda por construir, eu houvera visto uma ipê verde. Trata-se de uma das variedades mais exóticas dos ipês, e rara.
Fui contigo até lá e não é que avistamos os cachos de flores verdes! Uauuu, lá estava novamente aquela belezura de meu Deus, ali, toda oferecida para nossa visão. Você dormia, mas fiquei de passar ao sair do Guga por ali e te mostrar.

Chegando na casa do mano, tu ainda sonolento, arrumei o sofá da área de lazer e te deitei lá. E tu dormiu novamente. Não estava febril, nem tossia. Estava apenas cansadinho de noites em mal dormidas.

Pelas 16h, saí para te deixar na tua casa, que fica uns 500 metros do Guga. Como chegamos mais cedo do que o combinado (17h) tua mãe estava fora.

Então, aproveitei e fui te mostrar o ipê verde. Seus olhinhos custaram a ver as flores deles, a distingui-las entre as folhas.
É assim com mutia coisa boa da vida, às vezes eles estão ali, bem pertinho de nós, mas nossos olhos não conseguem mais enxergá-las.
Tu não via as flores do ipê verde.

Descemos do carro, e aprumei tua vista com minha mão.  Até tu soltar um:

- Ahhh!!!, eu vi papai, estão ali as flores!

Falei que tu estava vendo um espécime raro, e que logo, quando o dono do lote fosse construir, ele poderia ser abatido.

Tu deu a ideia de botar uma placa, avisando. Fiquei de pensar nisto, talvez uma faixa. Boa ideia meu filho. Quem sabe o dono daquele lote o protegerá.

Ainda faltava meia hora para as 17h, e lembrei que numa determinada barranca, às margens de uma avenida do Condomínio Amobb, tinha um pé de cajuzinho do Cerrado.

Te chamei para irmos ver se havia frutos. Confesso-lhe que fui desconfiado, geralmente os cajus nascem mais no final-início do ano.

Fomos passeando e mirando na barreira, e nada, e nada, e nada, aí, UAUUUUU!!!!

Lá estava, despencando de uma barreira, uma bela muda de cajuzinho do cerrado, toda cheia de cajus, maturis e flores.

Colhi dois deles, um pra mim e outro pra você.  Saboreamos aquele momento, diante de uma árvore igualmente tão rara no Cerrado, e em extinção, por não ter valor comercial. 

Deu 17h e fui te deixar. Na saída do carro, nos abraçamos. Falei que te amo. Tu falou que também me amava.

E voltei pra minha casa vendo o sol fazer seu espetáculo de todas os entardeceres no DF.

O coração cheio das vivências contigo, a alma cheia com o belo que contemplamos, em flores de ipê ver e cajuzinhos do cerrado. E o meu corpo descansando naquelas nuvens em fogaréu, que confirmavam, metro a metro, que o amanhã será melhor, e que isto também passa!

Se não fosse teu tossir, não haveria mãozinha dada na madrugada.
Se não fosse fazer hora contigo, pra tu dormir gostoso, não lembraria das voltinhas com meus pais.
Se não fosse isto, também não lembraria do lote do ipê verde.
Se tua mãe estivesse em casa, não teríamos lembrado de ir procurar o cajuzinho.

É assim com a vida, meu filho. Um monte de coisas vão ocorrendo que no somatório delas produzem um movimento, antes impensado, e de repente, não mais que de repente, algo bacana nos ocorre, fruto destes imprevistos e mudanças de planos.

Mas, precisa ajustar as lentes pra ver. Assim como tu fez pra enxergar as flores.  Precisa estar sintonizado ao bom, ao belo, ao justo, à paz, ao manso, ao Humano e ao Divino para ver, que apesar dos pesares, pra um monte de vida boa ocorrendo, pelas barrancas de nosso viver, ou disfarçadas entre as folhas.
Filho meu, na vida, esteja sempre 100% presente, atento e consciente às suas bênçãos e possibilidades. Module tua percepção seletiva para além do negativo, infeliz e crítico, presente como praga nestes tempos ditos modernos.
Ser mais feliz, ou menos triste, é uma escolha consciente, diária, possível, necessária e indelegável.
E, em grande parte, dependerá de ver que de uma barreira de Cerrado sequioso, com árvores cansadas pela inclemência do tempo, pende cajuzinhos vermelhos e suculentos.
E que, de um galho de folhas, iguais como várias outros do mesmo lugar, só ali, nele, há um buquê de flores a ti oferecido.
É preciso, filho meu, treinar o olhar para ver o lado bom da vida.
Apesar de todo o circo de horrores que temos presenciado, mundo afora, muita coisa boa ainda ocorre na vida.
Neste exato momento, em que digito esta carta para ti, algo de bom está ocorrendo. Uma Brisa Aracati caminha pela praia, agradecendo que as dores amainaram. Lucas chuta a barriga da filhota Priscila, pedindo comida.
Uma jovenzinha mobiliza o mundo para a defesa do Meio-Ambiente.
Papai, tira a meia anti-trombo, usada por 8 dias após cirurgia que fez no pulmão, e se sente finalmente de alta, já planejando a primeira saída de casa, com o amigo Renato.

Lá no térreo, escuto Antonio varrendo as folhas secas da calçada. Daqui a pouco desço, e ele com sorriso no rosto me dirá novamente, respondendo à minha provocação.

- É muita folha seca.

Ao que ele me responde sempre.

- É sr. Ricardo, mas elas nos dão sombra, flores e refrescam, e é só varrê-las todos os dias.

Quanta sabedoria. Sabe filho, tem gente que só ver as folhas secas, e seu incômodo. Nunca seja assim! Seja como o Antonio.

Crônicas Anteriores