Tempo de Travessias

Eu e Paulinha investimos um tempo da sexta para arrumar os "trem" de meu amigo, na empresa, da qual ele se aposentará em breve. Ele estava fora, quando tomou a decisão, e depois nos comunicou. Então, resolvemos ajudá-lo a se despir da corporação. Pegamos umas caixas de papelão e fomos entocando tudo lá dentro. Depois, ele fará a seleção do que realmente quer ficar, ou expurgar.

Para pessoas como esse meu amigo, e para quem mais possa, que viverá ou já viveu essa decisão, hoje escrevo. Gostaria de abraçá-las e dizer obrigado, por tanta entrega, resultados e dedicação. E até, por tanta horas sem família, dedicadas a uma outra família, a corporativa.  É hora de pedir uma caixa de papelão, juntar os cacos de si mesmo, espalhados num apartamento corporativo que chamamos de estação de trabalho, e fazer uma mudança para nós mesmos. Quem trabalha desde jovem, quando chega esse dia, vive emoções contraditórias. Não à tôa se diz que a realidade está grávida do seu contrário.
Mas, eis que chega a hora. Algumas de forma precipitada, abruptas, sem muito 
planejamento. Outras, mais trabalhadas ao longo dos anos que se avizinham da decisão.
Para vocês que estão pegando o beco, em direção à outra margem do rio, gostaria de oferecer-lhes uma caixa de ferramentas - use-a sem moderação.

1. Feridas Corporativas - Sare as feridas corporativas, caso tenha saído com elas. Nada de ficar remoendo cenas do que poderia ter sido. Evite resignações, ressentimentos, ou sair batendo a porta. A Instituição é sempre maior do que as pessoas, e ela lhe deu muita sombra. Zere as faturas com passado. Nada de ficar remoendo essa espécie de saudosismo mórbido.

2. Tranco da Rotina - Aguente o tranco da segunda feira sem terno, pela primeira vez em tanto tempo. Você terá uma tentação enorme de acessar as notícias da empresa, manter-se na rede do whats, e até dar pitacos sobre decisões corporativas. Aguente o tranco! Ela, a empresa, passará, você passarinho, como disse o poeta.

3. Sentido na Vida - Encontre mais fontes de sentido na vida, do que a do trabalho formal que assumiu por tantos anos. Há ainda muitas aventuras a viver, conhecimentos a conhecer, descobertas a se permitir, pessoas a encontrar. Há uns 30 anos ainda serem vividos, não vá querer vivê-los numa cadeira do papai, e com um controle remoto a lhe controlar.
4. Desapego de Eros - Exercite o desapego da separação dos amantes. Aceite-se nesse momento de vazio, de saudades, de um certo entristecer. São normais, afinal a aposentadoria é um dos processos de luto mais significativo que o ser humano passa, quase que uma morte social. Acolha esse momento, não lute contra ele, nem ache que está doente. Faz parte. Uma boa parcela de tua vida, inclusive círculo de amizade, foi organizado em torno do trabalho, é natural esse apego. Mas, só você poderá ir se desapegando, pouco a pouco, dia a dia. Ao transferir a energia do apego para outros apegos. Vivemos de apegos, apegue-se a outros motivos.

5. Tempo Kairós - Ocupe o tempo. Ocupe o tempo. Ocupe o tempo. Há um tempo que chamamos de Kairós, é o tempo saboreado, degustado, um tempo que que pintamos nele a vida, tal qual fazemos naqueles cadernos de pintura. Crie disciplinas, rotinas, para marcar o tempo. Matricule-se em cursos, participe de grupos, reanime Hobbies, crie uma agenda própria para seguir. Não entre na onda do "Já que" da família: "Já que" não está fazendo nada, troque o óleo do meu carro". Você pode até trocar, desde que você tenha tempo livre. Entendeu meu caro?

6. Não se Aposente - Essa ideia de férias eternas, de pendurar a chuteira, de vestir um pijama - caso você ponha em prática, nela acreditando, vai sequestrar tua qualidade de vida, vai matá-lo um pouquinho a cada dia. Nada disso. Você deve construir sua pós-carreira. Agora no seu ritmo e priorizando coisas que de fato quer fazer. Pode escrever o livro da família; pode sair fotografando as árvores do seu bairro, pode ajudar numa creche, pode sair com os amigos, pode aprender um idioma, ou dança de salão, pode se envolver em questões comunitárias, pode participar mais das atividades da igreja, ser voluntário. Só não fique mofando, estagnado, na ante-sala da morte, esperando a foice chegar. Movimente-se.

7. Saúde - A saúde é um completo bem-estar mental, físico, social e espiritual. Cuide dela. Coma mais verdes. Beba menos. Exercite-se. Tome sol. Medite. Inscreva-se em corridas de rua, pedal, participe de grupos sociais, até de dominó. Não terceirize sua saúde, faça exames preventivos. Mas, principalmente, cuide das emoções, cultivando as emoções positivas: generosidade, gratidão, empatia, compaixão, esperança, paz, otimismo e amor. Evite os cupins da alma: o excesso de reclamação, crítica ou negatividade sobre si mesmo, os outros ou a realidade. Esses três vilões, consumidos em excesso, roubam-lhe, descaradamente, energia vital. Vão secar-lhe, murchando lentamente, tornando-se um velho rabugento e cheio de ódios encardidos. Cuide do ser espiritual, ore, contemple, agradeça, louve, aprenda o sabor de ver o sol nascendo, ou indo dormir, todos os dias e de graça, só para sentir a Graça de estar vivo.

8. Se Conecte - Têm grupos muito legais precisando de sua presença. Conecte-se a eles. Têm grupos de aposentados, de igreja, de família, de besteira, de amigos. Não importa. Baixe seu Facebook, WhatsApp, crie uma conta no Instagran e saia fotografando o bom, o belo e o virtuoso. Esses grupos são terapêuticos. Caso algum deles não esteja lhe fazendo bem, delete-os de seu viver. E, entre noutros. Mas, conecte-se! Inúmeras pesquisas reforçam o valor dos relacionamentos - digitais ou presenciais, como fonte de satisfação na vida. Somos seres relacionais, e isso nos torna melhores.

9. Cultive o Bom, Belo e Virtuoso - Ser mais feliz é uma decisão racional, fruto das escolhas que vamos fazendo. É caminho, não é chegada. E, no caminho para o + feliz, leia coisas bacanas, ouça coisas belas, fale do bom. Aos poucos essas coisas vão alterando o filtro perceptivo e seletivo de tua vida. Para melhor. Poste o bom, compartilhe o bom, curta o bom. Seja bom. Todos os dias crie uma meta: vou ver três coisas boas, belas ou virtuosas que acontecem no meu viver e anotar algo sobre elas à noite, antes de dormir. Podem ser coisas que fizeram para contigo, ou que você testemunhou, ou que fez. Coisas do tipo um ipê florido na calçada, por onde passou há 35 anos, e nunca tinha reparado.

10. Ame-se de Montão - Por muitos anos você trabalhou para os outros, preencheu uma agenda apertada para prover sua família. Por muitos anos não sobrou tempo para você. Todo seu ser girava em torno das preocupações do trabalho, algumas trazendo até sua casa. Agora você precisa renascer para si mesmo. Restaurar sonhos adormecidos, projetos esquecidos numa gaveta de seu coração. Precisa cuidar de si mesmo. Levar-se para passear. Aprender a almoçar sozinho e gostar. Ir ao teatro, cinema, fazer pequenas viagens ou lazeres, dentro de seu orçamento. Curtir você, para além da imagem que galvanizou no seu nome, a da corporação em que trabalhou, ao ponto de virar seu sobrenome. Agora você sua carteira de identidade é mais importante do que sua carteira profissional. Ame-se de forma inteira, intensa e íntegra. Valorize-se, faça diariamente conservas emocionais. Sare culpas, arrependimentos mágoas e outras emoções negativas. Perdoe-se, pare de ser tão severo consigo mesmo. E, libere a energia e fluxo do amor em teu viver. Quem sabe perdoando também, ou renovando aquele amor que passou tanto tempo só recebendo as migalhas do que sobrava de ti, após horas de dedicação a tua empresa.

São essas as dez ferramentas que te dedico. Espero que algumas delas faça sentido. Por fim, deixo-lhes uma poesia que resume tudo:

"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." Fernando Pessoa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é uma honra.

Crônicas Anteriores