Pessoas-Alecrim



Acordo bem cedo e tenso. 
O dia será longo, darei três palestras. 
Duas sobre atendimento aos clientes, de título: 
Se não fosse pelos clientes, qual sentido de meu trabalho?
E uma outra, sobre desenvolvimento profissional de título: Jardineiro de Talentos.

Por uma incrível coincidência de agendas, elas ficaram no mesmo dia, e nos horários: 9hs às 11hs; 13h:30min às 15hrs e 15h30min às 17h30min.

A sorte é que são no mesmo prédio.

Madrugamos, eu e o JG. E saímos antes até que a Cristina chegasse da academia. O sol dava seus primeiro e tímidos sinais de vida.

No caminho, JG puxava assunto. E, eu me esquivava. Sempre minha cabeça borbulha antes de palestras ou aulas. Filmes vão passando por ela. Fico calado.

JG me pergunta o que são palestras. Digo-lhe que são conversas que faço com pessoas.

Ele não entende nada e volta à carga, para meu desespero.

“Só isso?” Tento explicar-lhe e desisto.

JG não é fácil. À cada resposta, ele emenda uma outra pergunta.

Achando que ele desistira, relaxo. Aí ele faz mais uma:

“Hoje é amanhã?”

Com pouca paciência, solto um:

“Hoje é hoje, como pode ser amanhã”?

Ele pensa e resmunga:

“Como posso saber, ué?”

Sem graça tento explicar-lhe o tempo. Explicar o inexplicável, nossa foram de marcar o tempo, e no meio da explicação, acabei me traindo, pois na minha ansiedade com as palestras, antecipo o tempo, e hoje é amanhã sim.

Aí ele não entendeu mais nada e eu tudo. Sim, JG, hoje é amanhã.

Descansei. Eu estava antecipando o amanhã e isso, quando é muito forte, causa uma ansiedade doentia.

Contudo, todos nós vivemos no hoje o amanhã. Hoje é amanhã sim, JG estava certo.

Um filósofo importante escreveu sobre isso no livro O Ser e o Nada.

Vai ver que JG será filósofo.

Relaxado descubro que deixei a máquina fotográfica em casa e os ramos de alecrim de uma dinâmica que farei, usada como recurso pedagógico nas palestras.

Desespero-me. Não dá pra voltar.

No caminho, entro correndo num supermercado. Antes mesmo de deixar o JG na escola. Para meu azar, as verduras ainda não tinham sido repostas.

Não tinha ramos de alecrim. Vou no setor de temperos e compro alecrim desidratado, haverá de servir como plano B.

Antes de ligar o carro, peço ajuda aos meus amigos via UOTZAPI. “Se alguém tiver alecrim em casa, leve-o ao curso, vou precisar.”

Chegando no local do evento, ainda com uns minutinhos de antecedência, vejo no UOTI que a Leni, santa Leni, está trazendo.

Não é o da espécie dourado, da canção. Aquela variedade por estas bandas é rara. Por aqui, o mais comum é o da variedade Benenden Blue - folhas estreitas, verde-azulado-escuro, flores azuis, róseas ou violáceas.

Há muitos anos comecei a me interessar pelo Alecrim. Foi quando o coloquei numa receita de carneiro. Um carneiro com alecrim e um sem alecrim, faz toda a diferença. Então, cozinhava mascando aquelas folhinhas. Uma delícia. Agora mesmo, paro e vou buscá-las na horta.

Recebo os ramos de Alecrim da Leni e fico emocionado. Ali estão minhas amigas folhinhas.

Hoje vou te revelar o porquê de gostar tanto delas.

O nome científico do Alecrim é vem do Latim: Rosmarinus. Sabe o que significa?

Orvalho que vem do mar.

Não é lindo? Amo o orvalho, e o que vem do mar deve ter um gostinho de paz, de felicidade.

Desde que comecei a estudar essa plantinha vi como ela é uma metáfora do ser humano pleno, de suas atitudes e posturas diante da vida.

Vejamos.

O alecrim é anti-inflamatório. Nós podemos ser assim para com os que nos rodeiam e pedem abrigo. Podemos ajuda-los em suas inflamações emocionais e ser cura. Alívio, descanso para tantas pessoas que estão incomodadas com suas inflamações do Eu.

O alecrim combate a pressão alta. Quantas vezes precisamos de algo que alivie a pressão do dia a dia. Quantas das vezes são nossos amigos, família, alecrins em nosso viver. Aqueles que nos darão toques sobre nosso estilo de vida e a pressão que dele está exalando. No corre-corre vamos esquecendo de parar, de contemplar, de relaxar. Até de respirar. Mais uma vez o alecrim nos ensina, tem horas que é preciso baixar a pressão. Viver com menos tralhas emocionais.

O alecrim é antibacteriano. Como podemos ser assim em nossas próprias vidas e na dos outros. Podemos diminuir suas infecções emocionais, ajuda-los a sarar dos lutos, sofreres, culpas.

O alecrim é antidepressivo. Você já parou para pensar nas pessoas antidepressivas com as quais ao cruzar com elas você fica mais leve. Mais esperançoso. Eu tenho várias delas. Cuja visita em minha vida é uma lufada de otimismo.

O alecrim é revigorante, usado em chás como tônico estimulante, à exceção para mulheres grávidas que não devem tomar esse chá. Como é bom se sentir revigorado, reanimado, mobilizado para tocar velhos e novos projetos. Chamamos a isso de motivação. Atitudes alecrim nos motivam, nos estimulam. Revigoram almas tíbias, mentes apáticas. Amores são assim. Possuem em si mesmo a função estimuladora do alecrim. Amores são alecrim.

O alecrim é místico. Na idade média, nos casamentos o caminho até o altar era forrado com ramos e flores de alecrim, desejando aos noivos coragem e fidelidade. Muito sábia recomendação, por sinal. Suas flores e ramos eram usados para decorar as coroas de reis e rainhas, príncipes e princesas. Também era usado como incenso, e aromatizante nos óleos sagrados. Na idade média, nas épocas de graves epidemias e doenças, colocavam ramos de alecrim nas portas das casas, “para afastar os maus espíritos” e, as doenças que traziam consigo. O povo é sábio, mesmo antes da química mais aprimorada, descobriu que o alecrim é antibacteriano. Temos uma parte espiritual em nosso ser que precisa do alecrim. Somos um pedaço místico. Conseguimos nos emocionar vendo um pôr do sol, uma lua cheia, um riso de bebê. Conseguimos cantar poesias, dançar emoções. Conseguimos nos ajoelhar, vez por outra, e fazer contato com o divino. Somos eternos demais, como diz a canção. O alecrim lembra-nos de nossa melhor parte, a divina.

As propriedades seguem e não quero cansá-lo. Só quis destacar algumas que se confundem com nossos valores e com o que podemos ser para os outros, numa metáfora ecológica-existencial.

Para terminar o alecrim é de fácil propagação. Dos galhos transplantados, nascerão vigorosas mudas. Ele resiste à seca, às pragas e até a solos pobres.

Penso nessas últimas propriedades naqueles seres humanos especiais que tem vários propósitos e sentidos na vida.

Independentemente de sua condição socioeconômica, ou até da saúde, sua psique é tão forte que ele sobrevive com ânimo ás piores condições a que é submetido.

Não só sobrevive, como influencia mudanças nas mesmas, ou das mesmas.

São resistentes como alecrins. São atitudes e valores que eles se propagam, disseminam - tal qual as mudas transplantadas de hastes dos alecrins, plantado outros mundos possíveis pelos solos dos corações que cuidam.

A humanidade está cheia de pessoas-alecrim, líderes-alecrim. Médicos-alecrim. Professores-alecrim, etc. Pare e olhe com atenção, com certeza deve ter uma perto de ti, ou até você ser uma delas.

Há também os trabalhadores-alecrim. Que querem mudar a situação de seus colegas, do seu trabalho, tornando-as melhores. Mais humanas e justas.

A eles, o meu reconhecimento no dia do trabalho.

Sê alecrim para os que te cercam, e para ti mesmo!

3 comentários:

  1. Olá Ricardo,boa noite!
    Sou sua colega lá do BB, e vi no site da Ditec que vc também é blogueiro como eu. Então resolvi lhe fazer uma visita!
    Estava curiosa pelo nome do blog. Muito legal a homenagem!!
    E gostei muito do seu post sobre o Alecrim!! Muito linda a analogia...
    Parabéns pelo blog!
    Voltarei mais vezes para ler com calma os seus textos.
    Segue o link do meu blog. Será um prazer receber sua visita!
    Um grande abraço,que Deus o abençoe.

    Adelisa.
    http://adelisa-oquerealmenteimporta.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanta honra. Adorei o nome do teu blog Vou degusta-lo com vigor

      Excluir

Seu comentário é uma honra.

Crônicas Anteriores