Cartas ao JG - Despedida da Neta




Filho, hoje acordei sentido falta do aroma do café invadindo meu sono.
Adorava aquele aroma todas as manhãs de sábado. Parecia ser a vida chamando para brincar fora.
Neta foi embora, de repente, na quinta feira.
Neta cuidou de nossa casa, e de nós por quase quatro anos.
Ela veio de uma lugarejo próximo à Bom Jesus da Lapa-BA, e daqui de casa fez seu lar.
Não tinha amigos ou família em Brasília, ela era do tipo caseira.
Todos os sábados, eu tomava aquele café gostoso, passado na hora, e perguntava de sua faculdade de enfermagem.
Ela contava em detalhes as aulas, as notas, as dificuldades.
Sentia-me parte de sua vida e gostava daquilo.
Você era muito apegado com ela.
Neta era muito meiga com você e conosco.
Agora desço e vou alimentar Balu. Balu é nosso labrador de quatro anos. Acho que Balu sentiu também, animais sentem.
Sua mãe está mais conformada. Neta conversou com ela e disse-lhe que ia voltar para o sítio dos pais, e depois ia morar em Goaiânia, na casa de uma prima.
Lá procuraria tratamento para suas dores de cabeça, já que a prima é enfermeira. E que ira transferir o curso.
torço para que os sonhos da Neta continuem sendo realidades em ações cotidianas.
JG, meu filho, eu suspeito que Neta saiu de Brasília por está sofrendo ameaças, coisas do coração, coisas que vêm com as tranqueiras que vamos nos envolvendo vida afora.
Por isso, cuidado!
Existem amores sadios e amores vadios. Os vadios causam muita dor e estragos por onde passam. Como saber em qual dos dois está se metendo? Não faço a menor ideia. Amor não pede licença, arromba a porta de nosso coração.
Mas, aprendi com a vida, de pancadas em pancadas, a pelo instinto identificar as amores-tóxicos.
Ontem cheguei mais tarde, abri nova disciplina no IBMEC, papai gosta muito de dá aulas. A disciplina é Gestão de Pessoas, o enfoque da primeira aula foi sobre a importância das pessoas que compõe nossa equipe, seus talentos e valores.
Neta era da nossa equipe que chamamos família. Tinha vários talentos e habilidades que a tornavam especial. Vamos sentir muita falta.
Agora começamos a sentir falta de coisas que nos habituamos;
quem ficará contigo enquanto vamos ao curso de casais hoje à tarde?
Quem limpará o canil do Balu?
Quem sairá recolhendo minhas coisas que deixo por todo canto? Quem fará aquela farofa de ovo com cenoura que abria meus trabalhos etílicos nos sábados? Quem te levará ao parquinho?
Sei que daremos um jeito, iremos nos adaptar, ninguém é insubstituível.
Mais cedo ou mais tarde outra "Neta" chegará.
Mas, guarda no coração aqueles que te servem com amor. Eles podem até ser como nossos dedos mindinhos, que nem percebemos que os temos, mas quando um espinho entra neles sabemos que fazem parte de nosso corpo e têm sua importância.

Só escrevo-lhe sobre Neta para que um dia, ao ler estas linhas, aprenda a dar valor aos pequenos e humildes que passam na tua vida.
Você não é apenas um contratador de seus serviços. você está permitindo que eles adentrem teu lar, então deverá ser mais que um formal patrão.
Deverá ser um amigo, um apoio, um orientador, um estimulador de suas vidas-severinas, termos que papai usa -oriundo de uma canção, para definir a vida dura dos trabalhadores "da base da cadeia alimentar" de nosso Brasil.

Gostei de ter voltado o carro, na noite da quinta feira, quando vi a Neta com sua pequena mala no ponto do ônibus. Malas de pobres carregam pouca coisa. Já tinha me despedido dela pela manhã. Mas não tive coragem de levá-lo até ela. Quando voltávamos do trabalho e escola a vimos no ponto do ônibus.
Dei rê e ofereci carona, ela não quis, alegou que o ônibus estava passando em poucos minutos. Emocionado à abençoei. Tirei você da cadeirinha e você a abraçou. Não tive coragem de vê-la novamente, sabia que ela chorava. Tirei você dela, e parti sem olhar pra trás.
Agora vou te levar ao parquinho.
Lembra-te sempre, ninguém deverá passar pela tua vida e sair da mesma forma, nem tu nem ele.
Seja esperança para os cansados.
Seja afeto para os carentes.
Seja sabedoria para os incautos. Seja solidariedade para os aflitos. Seja amor para os duros de coração. Seja paz para os agressivos.
Seja ponte, no lugar de muros, para todos que de ti precisarem.
Mas, repito-lhe, lembras da Netas que ajudarão você a prosseguir, seja-lhes sempre grato.

4 comentários:

  1. Amava quando morava aí..Mais foi preciso mesmo sair..Lindo relato,eu não mereço!
    Obrigada por mim encorajar com palavras de otimismo..
    Vocês são muito importantes para mim..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos, inclusive pessoas que nem as conhece, torcem por você.
      Deus no controle.

      Excluir
    2. Eu só tenho que agradecer á Deus por vocês..Foram realmente uma ponte no meu caminho com destino ao sucesso.Obridada Ricardo

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir

Seu comentário é uma honra.

Crônicas Anteriores